menu

Política

13/04/2019


WS: Manoel Júnior consolida estrutura para disputar a Prefeitura de JP, mas sem apelo popular

Manoel Júnior se filou ao Solidariedade esta semana

A movimentação político-partidária em torno do vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior, que esta semana filiou-se ao Solidariedade e assumiu o comando local da legenda, é tema do novo artigo do jornalista Walter Santos. Na postagem, WS relata que Manoel Júnior terá, pela primeira, condições para entrar na disputa para o cargo de prefeito, em 2020, sem risco de “golpe” ou impedimentos, como ocorreu em outras épocas.

 

“O fato novo gera uma dicotomia na realidade posta. Manoel Junior passa a ter pela primeira vez as condições partidárias sem risco de golpe às suas pretensões, como se deu no PSC e no PMDB, recentemente, entretanto nem de longe isto implica em adesão popular. Isto é outra questão”, diz trecho do artigo.

LEIA MAIS: Paulinho da Força destaca filiação de Manoel Jr. no Solidariedade e lança nome do vice-prefeito para 2020, em João Pessoa

Manoel Jr. não descarta candidatura a prefeito: ‘Sempre foi um sonho governar a maior cidade do Estado’

 

Leia o artigo na íntegra:

 

Movimento de Manoel Jr para disputar Prefeitura lhe assegura estrutura sem conexão forte com eleitorado

 

Ainda hoje repercute a movimentação do vice-prefeito Manoel Júnior consolidando-se, enfim, como presidente do Solidariedade atraindo até a presença do líder nacional, Paulinho da Força, comemorando com isto a projeção de candidatura a prefeito em 2020 do ex-deputado federal.

 

O fato novo gera uma dicotomia na realidade posta. Manoel Junior passa a ter pela primeira vez as condições partidárias sem risco de golpe às suas pretensões, como se deu no PSC e no PMDB, recentemente, entretanto nem de longe isto implica em adesão popular. Isto é outra questão.

HISTÓRICO COMPLICADO

 

Manoel Júnior é um político habilidoso, mesmo assim nos últimos tempos andou acumulando uma série de desconfortos, como ainda hoje se dá na condição de vice-prefeito e seus limites porque não conquistou o intento de ser o nome escolhido pelo prefeito Luciano Cartaxo.

 

Lá atrás foi bombardeado na disputa federal por aliados ligados ao prefeito sem contar o desgaste por ter sido aliado próximo do ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, comprovadamente um desviador de recursos públicos e responsável pelo impeachment de Dilma Rousseff. Isto ainda hoje repercute ruim em torno do hábil Manoel Júnior.

 

Trocando em miúdos esta é a realidade que lhe faz enfrentar resistência popular. No mais, agora se transformou em chefe político.