menu

Política

08/10/2019


Walter Santos lembra esvaziamento da Sudene no Dia do Nordestino

No Dia do Nordestino, como a política gera esvaziamento no importante instrumento chamado Sudene

8 de Outubro é data de reflexão em torno de um personagem masculino, feminino ou seja como for batizado na lógica comemorativa da hora como Dia do Nordestino. Se fosse tipificá-lo, iríamos a Euclides da Cunha para afirmar com todas as letras que ele é, Nordestino, além de tudo forte.

Este conceito, verdadeiro por sinal, nem de longe consegue encobrir uma realidade dolorida em torno deste Personagem, que é a desconexão do que decorre como política pública entre a União (Governo Federal) e Estados para reaquecer o tratamento econômico e humano de que o Nordeste e os Nordestinos precisam.

A SUDENE EM TEMPO PERDIDO

Em 2019, a SUDENE produziu uma articulação importante ouvindo todos os governadores e alinhando reivindicações com um projeto denominado de PRDNE, elaborado por especialistas gabaritados até levar o presidente Jair Bolsonaro a apresentá-lo formalmente e tudo ter ficado nisso.

A proposta prevê 6 Eixos de investimentos futuros fazendo do Nordeste ambiente de vanguarda, até na forma de captação e utilização de recursos para incrementar investimentos .

NOVO ” PROJETO ” A COMPLICAR

A dados de setembro de 2019, o presidente resolveu escalar o Vice general Mourão e o Ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos, para refazer novamente os percursos já percorridos pela Sudene de contatos com os governadores do Nordeste anunciando no Plano.

Detalhe: embora o superintendente da Sudene, Mário Gordilho, participe das audiências , infelizmente a Superintendência não é protagonista do reengenho voltado ao reaquecimento do Nordeste, conforme o PRDNE elaborado, pois sequer saiu da Casa Civil. Brasília é quem dá as cartas sem abrigar tanto esforço e propostas de especialistas.

UMA CONSTATAÇÃO DE FUTURO

O fato é que o ano se aproxima do fim com as políticas públicas na direção dos 9 estados se projetam desconectadas do protagonismo da Sudene enfraquecendo sua missão e seu tempo perdido em elaborações de projetos.

A LUTA SEM FIM

Diante de tudo isso, não resta dúvida de que a saga do Nordestino se mantém afetada pela cultura histórica de saber lutar e construir seu futuro com sabedoria para enfrentar e superar dificuldades construir um futuro promissor para suas futuras gerações.