menu

Política

07/01/2013


Vital: "Não vão apagar as obras de Vené"

DEFESA

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) lamentou nesta segunda-feira (07), a postura deselegante de alguns adversários políticos em continuarem tentando a todo o custo, denegrir a imagem do ex-prefeito de Campina Grande Veneziano Vital do Rêgo. O senador disse que essa atitude não produzirá efeitos positivos, visto que toda a cidade reconhece e sabe o quanto Veneziano trabalhou por Campina nos últimos 8 anos.

Vital que nos dois mandatos do governo peemedebista, destinou inúmeras emendas para a Rainha da Borborema, não tem dúvida de que a tentativa de desconstruir a imagem de Vené faz parte de uma estratégia do grupo político que quer se manter no Palácio da Redenção, e sabe que o peemedebista é um candidato forte ao governo do Estado. "Só temos que lamentar a postura dessas pessoas que pensam que estão fazendo o bem atingindo a honra de um homem ético, sério e que dedicou cada minuto de sua vida nos últimos 8 anos para trabalhar de forma incansável por Campina" lamentou o senador.

Para Vital, a críticas feitas a Veneziano não tem fundamentos e sinalizam para uma tentativa frustrada de sufocar a popularidade do cabeludo. Mesmo evitando cair em provocações ou partir para o enfrentamento com Romero Rodrigues e o governador Ricardo Coutinho, o senador disse que Veneziano vai continuar defendendo o acervo de obras da sua a administração. O parlamentar lembrou que em 8 anos Veneziano realizou mais de 3 mil obras em Campina Grande, uma marca impressionante que nenhum outro gestor alcançou.

Ele revelou ainda que depois das eleições, Veneziano esteve cuidando das obrigações de gestor, que não poderia deixar de cumprir os índices de Educação, Saúde, os recolhimentos previdenciários, bem como concluindo e entregando obras. "Veneziano trabalhou até o último dia de sua gestão. Inclusive em dezembro realizou uma intensa agenda de inaugurações" afirmou.

Embora Romero não divulgue, Vital do Rêgo sustenta que a gestão peemedebista deixou recursos em caixa para o tucano pagar o funcionalismo público e concluir obras. Na última e na sexta-feira (28), por exemplo, entraram R$ 11,8 milhões na conta da Prefeitura, mas que já não havia movimentação bancária. As últimas cotas do ICMS e FPM de 2012 são depositadas no início de janeiro, mas entram na contabilidade do ano anterior. O saldo em caixa, segundo , seria superior a R$ 40 milhões, ou seja, suficiente para honrar todos os compromissos.

O senador lembrou ainda que o ex-prefeito se empenhou para deixar em caixa u R$ 17 milhões para conclusão das obras da Argemiro de Figueiredo cuja retomada das obras foi programada para esta segunda-feira pelo prefeito tucano. E outros R$ 105 milhões em convênios. O peemedebista não tem dúvida que os campinenses saberão distinguir “verdade de pirotecnia política”.