Villeneuve detona equipes nanicas, jovens pilotos e restrições: ‘Não é Fórmula 1

0
1

Campeão da Fórmula 1 em 1997, Jacques Villeneuve sempre teve a língua afiada. E ela continua, por vezes, indo contra a corrente dos atuais pilotos e equipes. Em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br em Interlagos, o canadense não se mostrou nem um pouco compadecido pelo fechamento da Marussia, anunciado na última sexta-feira.

"Não faz diferença. Eles não são uma equipe de Fórmula 1 de verdade, não existe razão para ela estar lá. É melhor que, se eles não puderem fazer o trabalho corretamente, desapareçam. Em algum momento as boas equipes precisam ter mais carros", afirmou o piloto de 43 anos e atividades cada vez mais esporádicas nas pistas (neste ano, disputou as 500 Milhas de Indianápolis e uma etapa da Nascar de seu país).

Para Villeneuve, a F-1 precisa dar mais liberdade às grandes montadoras para que elas possam ter o maior número de carros possíveis no grid.

"Três carros, quatro carros, mais liberdade. Deveria ser mais restrito na questão de equipes como é hoje. Elas têm de pagar o preço por não serem boas o bastante. Quando você tem uma equipe, permitiu-se não se preocupar em ser boa, porque você está protegida. É o que eles (donos) estão tentando fazer, tentando sobreviver apenas para fazer uma boa venda e ganhar dinheiro. Elas nunca tentam ser uma boa equipe de Fórmula 1", criticou.

O canadense também apontou sua metralhadora para os jovens pilotos do grid – em 2015, por exemplo, Max Verstappen (filho de Jos, seu contemporâneo na F-1) vai ser o mais precoce a estrear na categoria com 17 anos.

"As corridas são ótimas. As corridas são como as dos melhores anos, o problema é que têm muitos pilotos que não são homens, são apenas garotos brincando de serem pilotos. E isso não é interessante para os fãs, não é interessante para os patrocinadores, então o valor da Fórmula 1 caiu por causa disso. É como uma categoria de entrada, com regras para os limites dos motores… Não é Fórmula 1, não é extremo. A Fórmula 1 deveria ser a líder, o extremo, e não é isso o que temos. É por isso que é difícil para as equipes conseguirem patrocínios", analisou o também campeão da Indy.

Questionado se correria tranquilamente com um F-1 hoje, Jacques Villeneuve respondeu: "Um F-1 parece ser muito mais fácil de guiar hoje. Todo mundo que entra em um estará rápido em três voltas, algo que era impossível no passado. Os carros se tornaram fáceis de guiar. Agora ir 0s3, 0s4 mais rápido como Alonso, Hamilton e Rosberg conseguem é difícil, mas chegar a esse nível se tornou fácil".