menu

Na Mira

31/08/2018


Soros, megainvestidor, comprou maiores ações da Petrobras no Impeachment para aumentar preço dos combustiveis

O megainvestidor George Soros, maior personagem econômico do Mundo, é o personagem que manda e desmanda na economia do Brasil na atualidade, em especial da Petrobras estimulando o aumento permanente do preço dos combustiveis para atender aos interesses dos acionistas, já que ele é um dos maiores, e não aos consumidores. Ele foi um dos principais financiadores do Impeachment. Detalhe: com apoio do Congresso Nacional.

Toda a Grande Midia, a partir de SãoPaulo, já anunciava em 2015, em plena crise do Impeachmeng, o megainvestidor George Soros, com fortuna estimada em US$ 25 bi resolvera ali comprar ações da Petrobras em plena crise do Impeachmet da maior empresa petrolifera.

ESTADÃO CONFIRMA – Segundo o Estadão, Soros.voltou a apostar na Petrobrás e comprou mais de 1,5 milhão de ações da empresa brasileira nos Estados Unidos, conforme mostram documentos oficiais enviados pela gestora do bilionário para a Securities and Exchange Commission (SEC, a reguladora do mercado de capitais dos EUA).

Soros já havia investido em outros momentos na Petrobrás, mas os dados da SEC mostram que, em junho de 2015, ele tinha 636 mil ações e, no trimestre seguinte, se desfez dos papéis, zerando sua posição. Os investidores em Wall Street precisam reportar para a SEC a cada fim de trimestre as posições de cada papel em suas carteiras.

O mais recente documento com as movimentações de Soros, divulgado com dados do terceiro trimestre de 2016, mostra que o investidor resolveu esperar um ano para voltar a apostar em Petrobrás.

Além de Soros, outros megainvestidores em Wall Street resolveram aplicar na estatal brasileira por meio de American Depositary Receipts (ADRs), recibos de ações da empresa listados na Bolsa de Nova York.

Entre eles, Robert Citrone, com US$ 12 bilhões em ativos, dono da Discovery Capital Management, que reportou ter mais de 27 milhões de papéis da petroleira. Já a DE Shaw, com US$ 40 bilhões sob gestão, tem 3 milhões de ADRs. Jim Simons, que administra mais de US$ 36 bilhões, tem 411,5 mil papéis da estatal. Tudo isso constata a interferência de Soros.