menu

Esporte

09/09/2019


Tite vai manter Neymar e deve fazer poucas trocas para partida contra o Peru em Los Angeles

Tendência é por até três ou quatro mudanças para segundo amistoso da rodada nos EUA.

Foto: © Peter Cziborra/Reuters

Cauteloso com as substituições na primeira partida, moderado nas mexidas para o segundo jogo. É o plano de voo de Tite e de sua comissão técnica para os jogos contra Colômbia – empate por 2 a 2, com três mudanças, contra cinco do português Carlos Queiroz – e Peru, nesta terça-feira (10). O treinador justificou as poucas mudanças na primeira partida – usou três das seis substituições permitidas – no giro pelos EUA dizendo que “não fez mais porque não queria atrapalhar o time”.

 

No segundo jogo, contra o Peru, a escalação vai depender também da reavaliação física no treino desta segunda (9).

 

Serão apenas duas atividades para definição da equipe. Tite e seus auxiliares vão receber informações sobre a recuperação física dos atletas para avaliar a escalação, mas a expectativa é de que os 11 iniciais mudem pouco em relação à Colômbia – tendência de três a quatro mudanças na escalação. O treinador e o auxiliar Cleber Xavier já defenderam que a observação do campo é complementar a dos treinos.

 

“Quando falamos em dar chance não são só em jogos, mas tem a convivência de dia a dia, nos treinos, mostrar vídeos, lances, para que entendam nossos conceitos”, disse Tite antes da partida contra a Colômbia.

 

Neymar, que não jogava há três meses, é nome certo para ser titular novamente. A comissão técnica quer vê-lo em campo o máximo de tempo possível. Mas outros companheiros do setor ofensivo podem sair. Philippe Coutinho, que fez boa partida, mas cansou na segunda etapa, é um dos nomes que parece sentir o início de temporada. Não será surpresa se Lucas Paquetá for titular na terça-feira. Richarlison pode dar a vez a David Neres, que jogou poucos minutos contra a Colômbia.

 

No meio, Allan, com outro estilo, mira a vaga de Arthur. No setor defensivo, Jorge pode ganhar a vez no lugar de Alex Sandro, que cometeu o pênalti e cresceu no segundo tempo contra a Colômbia, mas sofreu na marcação da primeira etapa.

 

Calma com Vinicius

Na frente das câmeras ou longe dos microfones, o treinador tem freado qualquer afobação no aproveitamento de Vinicius Junior, o caçula da turma, com 19 anos. Tite reconhece todo o talento do jogador do Real Madrid, mas não quer passar pressão ao jogador. É provável que Vinicius jogue parte do segundo tempo – o próprio garoto disse, em entrevista coletiva, que encara essa convocação como parte da preparação para retornar em outras listas de Tite.

 

Tite comenta que é normal a oscilação de Vinicius. “Ele vai driblar num lance, vai errar em outro, vai passar depois e vai errar cruzamento, chute. É assim mesmo, é natural. Ele tem 19 anos”, costuma comentar o treinador. Na coletiva de imprensa, ele voltou a destacar Vinicius pelas “sete, oito marchas” com a bola no pé.

 

O treinador confidenciou que Vinicius pediu a Casemiro para “lhe ajudar na Seleção”. E lembrou a experiência no Real para pedir mais calma com o jogador.

 

– Às vezes a gente superestima a capacidade de maturidade de um atleta que ontem estava na base do Flamengo e agora está no Real Madrid. Tem que ter cuidado. Sei que ele está amadurecendo, mas ainda é cedo – disse o treinador. GE