menu

Paraíba

09/01/2019


Semob-JP orienta sobre cuidados na hora de contratar transporte escolar

Segundo o órgão, uma das medidas é solicitar ao empresário o alvará e o crachá emitidos pelo Secretária.

Imagem meramente ilustrativa

Com a proximidade do início de mais um ano letivo, chega a hora de muitos pais assinarem ou renovarem contratos para o transporte escolar de seus filhos. Estes veículos passam por vistoria semestral na Superintendência de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob-JP), o que tem como objetivo garantir a segurança dos estudantes. Há, no entanto, uma série de atitudes que os pais podem tomar para garantir um serviço de melhor qualidade e confiabilidade.

A primeira coisa a fazer deve ser verificar se o motorista e o veículo são credenciados junto à Semob-JP, o que significa que ele atende a uma série de requisitos que irão garantir a segurança das crianças. “Para ter certeza, é preciso solicitar ao empresário o alvará e o crachá emitidos pelo órgão de mobilidade e checar se, no veículo, consta o selo de vistoria vigente para o semestre. O selo é colado sempre no pára-brisa dianteiro”, explicou o superintendente Adalberto Araújo.

Também é preciso estar atento a quem vai ser o motorista do veículo. Este profissional deve possuir mais de 21 anos e ter habilitação na categoria “D”. Além disso, ele deve ter passado por um curso obrigatório, conforme a resolução do Conselho Nacional de Trânsito, e deixar claro na carteira de habilitação que exerce atividade remunerada para esse tipo de transporte. “Anote o nome do motorista, CPF, RG, endereço e telefones”, orientou ainda o chefe da Divisão de Transportes da Semob-JP, Leonardo Campos.

Além do motorista, este tipo de transporte deve contar também com outro profissional: o acompanhante. “É importante exigir a presença de acompanhante, pois é ele que vai organizar a entrada e saída de alunos do veículo e evitar que eles permaneçam de pé ou sem cinto de segurança”, explicou Campos. Ele também recomenda que os pais entrem no veículo para observar as condições de conforto, higiene e segurança. “Deve haver um cinto de segurança para cada ocupante e as janelas não podem abrir mais que 10 centímetros”.

Os pais também devem estar cientes de que os dias em que seu filho não for à escola não implica em redução no custo do transporte, já que o serviço continua sendo prestado. Por outro lado, o motorista é obrigado a garantir o transporte seguindo todas as normas de segurança em todos os dias letivos. Em caso de pane no veículo, ele é obrigado a disponibilizar outro carro e arcar com todos os prejuízos que causar a criança, como fazê-los perder uma prova, por exemplo.

Oriente seu filho – Para uma segurança maior no transporte, é sempre bom contar com a ajuda das próprias crianças. Para isso, elas devem ser orientadas a permanecerem sentadas no veículo, usam sempre o cinto de segurança e não conversar com o motorista. Também é importante estimular a criança a respeitar os profissionais e relatar aos pais como foi a viagem.