menu

Esporte

07/10/2019


Raí abre papo sobre finanças do clube antes de trazer Dani Alves

Diretor de futebol e ex-jogador do São Paulo comenta contratações realizadas pelo São Paulo e defende que clubes se unam para “pensarem o futebol como um grande negócio”

Foto Divulgação

Pressionado por dívidas e por não ganhar títulos há quase sete anos, o São Paulo Futebol Clube resolveu abrir o bolso para tentar recuperar o prestígio que teve no futebol brasileiro nas décadas de 1990 e 2000.

Em 2019, sob a direção do ex-jogador Raí, o clube contratou cerca de 15 jogadores, incluindo o goleiro Tiago Volpi, o meia Hernanes e o atacante Alexandre Pato.

E, em agosto, somou-se ao elenco Daniel Alves, o lateral-direito titular e capitão da Seleção Brasileira, maior ganhador do títulos da história do futebol mundial, de volta ao Brasil após 17 anos na Europa.

No total, foram mais de R$ 80 milhões gastos em contratações de jogadores neste ano.
Além disso, Daniel terá a maior remuneração do Brasil entre jogadores de futebol: cerca de R$ 1,5 milhão ao mês, entre salário e direitos de imagem que o clube espera dividir com patrocinadores.

“A presença dessas pessoas é uma coisa premeditada: perfil de liderança. Hernanes, Pablo, Daniel Alves, Juanfran, Volpi, Bruno Alves. É uma espinha dorsal. Por mais que tenhamos dificuldades, são pessoas que seguram e vão dar resultado”, comenta o diretor de futebol do São Paulo, Raí.

É uma cifra relevante para um clube que, nos últimos anos, lidou com gigantesca dívida com instituições bancárias e enfrentou atrasos em pagamentos de direitos de imagens a jogadores.

Nesse contexto, como uma contratação cara, como a de Dani Alves, repercute no elenco?

Sem sobressaltos e com tranquilidade, responde Raí que conversou com os jogadores e garantiu a eles que o reforço não afetaria seus recebimentos.

“Sim, a gente teve esse cuidado [de conversar com os jogadores sobre a saúde financeira do clube]. E foi tudo bem aceito e compreendido. Até porque fomos claros em colocar que não vai ser só o clube que vai pagar. Antes de fechar e depois que fechou, fiz questão de passar para o time que isso não ia mudar em nada a situação deles”, diz o ídolo do Tricolor paulista.
Ao Valor Investe, Raí se definiu como conservador nas finanças e arrojado nos empreendimentos.

Ele também abordou outras questões “boleiras”, como a polarização ideológica nos vestiários e o que pretende fazer quando o time afinal sair da fila – o último título foi o da Copa Sul-Americana, em dezembro de 2012.

Jogador x gestor: o que muda?
“A rotina é diferente. Um clube desse tamanho, tanto tempo sem ganhar, a pressão que isso envolve. Está sendo uma experiência intensa, rica e que com certeza vai servir muito para mim e para o São Paulo.”
A cobrança por títulos
“Quando eu cheguei, o São Paulo tinha sido campeão em 1986, na fase do Careca e do Pita. Não tinha um jejum tão grande. Em 1989, ganhamos o Campeonato Paulista, meu primeiro. Depois, em 1990, veio o vice-campeonato brasileiro. E depois a grande fase. Então, agora tem um peso, sim.”

“Ah, isso é o nosso presente, né? Não tem como evitar [pensar nisso]. Eu até não penso muito, mas o assunto sempre vem. É o bode na sala. Aquela coisa: você pode até melhorar, mas não importa, tem que ganhar.”
Como pretende comemorar?
“Vai ser como muitas vezes já fiz: aproveitar aquela coisa muito maior que qualquer celebração que será a satisfação de ter colaborado para um momento vitorioso que com certeza vai chegar.”

Ingerência ou “democracia tricolor”?
[Sobre o fato de que os jogadores foram consultados antes da contratação do técnico Fernando Diniz, há duas semanas]

“Não acompanhei tudo que saiu, mas no futebol tudo é exagero. O Cuca resolveu sair em um momento inesperado, tivemos pouco tempo para responder. Ouvimos os jogadores, e foi muito saudável, mas se viesse deles outro nome com o qual a gente não concordasse, não ia rolar. Teve uma convergência. E isso é bom, me deixa ainda mais otimista na crença do trabalho do Diniz.”

Do que o futebol brasileiro precisa?
“Hoje, o que mais precisamos é que os clubes se unam e debatam interesses comuns próprios. Fica faltando uma perna quando governo e legislativo se mobilizam, tem a força da CBF como instituição, mas não há uma representatividade de um grupo de clubes. Fica parecendo que alguém tem que vir e resolver por eles. Tem espaço para os clubes pensarem o futebol como um grande negócio. Entre eles mesmo, para depois ver a repartição. Não adianta fazer um grande trabalho se o sistema em que se está inserido não é consistente.”

Polarização chega à diretoria?
“Já aconteceu [de manifestações políticas minhas causarem ruído entre outros dirigentes e conselheiros]. Claro que quando eu falo, deixo claro que é um posicionamento pessoal. Quando estou como representante do clube, evito falar. Não posso assumir meu posicionamento como sendo o da instituição. Mas tem quem sinta incômodo. Há uns ruídos…”

E ao vestiário?
“Chega. Tem bastante. É como na sociedade. Mas nunca vi nada que atrapalhasse relacionamento. As discussões não se aprofundam tanto. Sempre foi um meio bem conservador, em geral. E não mudou muito.”