menu

Internacional

27/05/2019


PS vence eleições em Portugal e alarga distância diante PSD, que sai derrotado

O primeiro ministro de Portugal,  Antonio Costa, saiu vencedor nas eleições europeias.

O primeiro ministro de Portugal,  Antonio Costa, saiu vencedor das eleições europeias, onde obteve vários avanços positivos. Foi o partido com maior percentagem de votos (33,38%) e maior número de eurodeputados sentados em Estrasburgo.

 

Mais: cresceu face ao resultado de 2014 quando teve 31,46% dos votos, ainda não sendo certo a esta hora se aumenta o número de eurodeputados face aos sete de 2014. Além disso, os socialistas conseguiram garantir uma larga distância de segurança face ao PSD, que ficou em segundo lugar, com 21,94%.

 

Conseguiu ainda contrariar uma das ideias comuns na análise política que é a de que, nas europeias, os eleitores penalizam o partido que está no poder.

 

No entanto, é ainda difícil perceber que impacto este resultado poderá ter nas legislativas de 6 de outubro. Principalmente, porque a taxa de abstenção bateu um novo recorde e ninguém sabe ao certo se os eleitores das europeias são os mesmos das legislativas.

 

LEGISLATIVAS – Contudo, há um número que pode servir de alerta para obrigar o PS a olhar para as legislativas com atenção. É que mesmo com uma política de devolução de rendimentos durante a legislatura, com a economia a crescer e o desemprego a recuar, o PS parece estar longe dos cerca de 1,5 milhões de votos que conseguiu em 1999 e 2004.

PSD teve o pior resultado

Quando concorreu sozinho nas eleições europeias, o PSD conseguiu sempre um resultado superior a 30%. Nas eleições deste domingo, ficou-se pelos 21,94%, segundo os resultados quase finais. O PSD não só teve um mau resultado, em percentagem, como pode não ter conseguido aumentar o número de eurodeputados — em 2014 elegeu seis.

 

Além disso, uma análise aos dados sobre o número de votos mostra que o PSD perdeu muito apoio desde a última vez que foi sozinho a eleições. Face a 2009, quando PSD e CDS foram separados, os sociais-democratas perderam à volta de 400 mil votos. Rio mantém-se como líder para concorrer às legislativas de outubro, mas esta derrota não deverá facilitar o caminho até lá.

 

Os eleitores penalizaram a estratégia política de Rio, que desde o início teve dificuldades em manter o partido unido à sua volta.