Policial militar é preso durante operação na Paraíba suspeito de envolvimento com organização criminosa do Mato Grosso do Sul - WSCOM

menu

Policial

11/07/2019


Policial militar é preso durante operação na Paraíba suspeito de envolvimento com organização criminosa do Mato Grosso do Sul

O acusado, que não teve o nome revelado, está recolhido no Batalhão da Polícia Militar da cidade de Patos.

Trio é suspeito de envolvimento na morte de ex-policial/Foto: whatsapp

A Polícia Civil da Paraíba, por meio do 18° DSPC, localizado em Catolé do Rocha, no Sertão do Estado, em operação conjunta com a Polícia Militar, prenderam um policial militar suspeito de envolvimento em uma associação criminosa, no Sertão paraibano. Ele foi preso preventivamente após uma ordem judicial.

 

O acusado, que não teve o nome revelado, está recolhido no Batalhão da Polícia Militar da cidade de Patos. Ainda segundo a Polícia Civil, durante a operação foram presos outros três acusados, sendo Paulo Ricardo de Lima Santos e Gilliarde da Silva Andrade, que são pernambucanos, além do paraibano Alisson Andrade da Silva, conhecido por “Pimentinha”. O trio veio do Estado de Mato Grosso do Sul, há alguns dias atrás, para praticarem homicídios, roubo e tráfico de drogas na Paraíba.

 

Acusação

O quadrilha é acusada do homicídio de um ex-policial que ocorreu na cidade de Pombal, além de praticar o roubo de uma joalheira em São Bento, ambas no Sertão da Paraíba. Segundo as investigações, o PM foi visto nas cidades com o veículo utilizado nos crimes. De acordo com policiais do 18° DSPC de Catolé do Rocha, o policial trabalhava na guarda do Presídio de Catolé do Rocha. 

 

Sobre a operação

Durante a operação foram apreendidas armas de fogo e munições, dentre elas, uma pistola ponto quarenta. De acordo com as investigações, as ligações do PM com o trio se dão devido a relação estreita que ele tinha com a quadrilha, além de utilizar veículos e armas pertencentes ao bando preso, objetos estes apreendidos pela polícia durante a operação.

 

Imagem reprodução/Foto; whatsapp