menu

Policial

19/06/2019


Polícia Civil deflagra operação contra lavagem de dinheiro e cumpre vários mandados em João Pessoa e Itabaiana

Imagem ilustrativa/Foto: (arquivo)

A Polícia Civil cumpriu, nesta quarta-feira (19), diversos mandados de busca e apreensão em João Pessoa e em Itabaiana em operação que investiga desvio de recursos públicos no município do Agreste paraibano. São três mandados judiciais sendo cumpridos nessa nova fase da operação que já teve como alvo, na primeira fase, o ex-prefeito Antônio Carlos Melo Júnior.

 

Segundo a PC, uma ex-secretária de Saúde de Itabaiana também é alvo da Operação Garimpo. Foram apreendidos, hoje na ação policial, dois carros, uma moto, cheques e documentos.

 

Relembre o caso

A operação foi denominada ‘Garimpo’ e é um desdobramento da ‘Operação Pote de Ouro/Mapa da Mina’, desencadeada ano passado. Os mandados foram expedidos pelo juízo da Comarca de Itabaiana. De acordo com as investigações da Polícia Civil, o suposto esquema teria desviado recursos públicos na gestão do ex-prefeito de Itabaiana, Antônio Carlos Rodrigues de Melo Júnior.

 

O ex-prefeito Antônio Carlos, o ex-tesoureiro da prefeitura Luís Moreira de Barros e o ex-secretário de infraestrutura da prefeitura de Itabaiana Adjailton Paiva de Andrade (falecido posteriormente à prisão) foram presos na primeira fase das investigações, mas estão respondendo o processo em liberdade. No total, juntando as duas fases, mais de R$ 330 mil em contratos estão sob suspeita.

 

O caso estava sob segredo de justiça, mas uma decisão judicial retirou o sigilo. Nessa segunda etapa estão sendo cumpridos mandados em apartamentos que pertenceriam a André Teixeira Gondim e Rodrigo Henriques Neves, ex-secretário de Turismo da cidade de Santa Rita. Os dois, segundo a polícia, teriam envolvimento nas supostas fraudes.

 

Já em Itabaiana, equipes da Polícia Civil fazem buscas em locais onde estariam bens comprados pelo ‘esquema’ como lavagem de dinheiro. Até agora a Polícia Civil não divulgou um balanço parcial da ação. A Justiça também decretou o sequestro de parte dos bens investigados pela Polícia Civil.