menu

Música

26/03/2013


Orquestra de Câmara faz concerto

Semana Santa

 Uma das obras mais famosas de Mozart (1756-1791), intitulada “Réquiem em Ré menor, K 626”, será executada pela Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa (OCCJP), com a narração especial do ator paraibano Luiz Carlos Vasconcelos. A performance é parte do Concerto de Semana Santa, que acontece no Centro Cultural São Francisco, nesta quarta-feira (27), a partir das 20h. O evento conta ainda com a participação de solistas e do Coro de Câmara Villa-Lobos. A realização é da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da sua Fundação Cultural (Funjope).

O concerto da Semana Santa será regido pelo maestro Carlos Anísio. Além do Coro de Câmara Villa-Lobos, a apresentação conta com os solistas Izadora França (soprano), Kleiton D’Araújo (contratenor), Vladimir Silva (tenor) e Pedro Paulo Queiroz (baixo). Em sua participação especial, o ator Luiz Carlos Vasconcelos narrará à tradução em Português do texto original em latim que compõe o Réquiem.

Além do Réquiem de Mozart, a Orquestra de Câmara vai incluir no programa desta quarta-feira (27) uma peça do padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), que foi um compositor brasileiro de música sacra e viveu no período de transição entre o Brasil Colônia e Império. Na ocasião, será executada “Três Obras para Semana Santa”.

Obra inacabada – O “Réquiem em Ré menor, K 626” é uma missa fúnebre, composta parcialmente por Mozart, em 1791. Foi sua última composição e talvez uma de suas melhores e mais famosas obras – não apenas pela música em si, mas também pelos debates sobre até qual parte foi preparada por ele.

Levantamentos históricos apontam que um desconhecido, que se recusou a se identificar, bateu à porta de Mozart e o deixou encarregado de compor um réquiem. Deu-lhe um adiantamento e avisou que retornaria em um mês. Posteriormente, se supôs que aquele sombrio personagem era um enviado do conde Walsegg-Stuppach, cuja esposa havia falecido. A intenção do viúvo era fazer crer que a obra teria sido escrita por ele.

Mozart, antes de morrer, conseguiu terminar apenas três seções com o coro e composição completa: Introito, Kyrie e Dies irae. Da Sequentia deixou os trechos instrumentais, o coro, vozes solistas e o cifrado do contrabaixo e órgão incompletos, com apenas anotações. Também havia indicações para o Domine Jesu e Agnus Dei. Seu discípulo Süssmayer completou as partes em falta da composição, agregou música onde faltava e compôs completamente o Sanctus.

OCCJP – A Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa é um projeto iniciado em 2001, sob responsabilidade da Secretaria de Educação e Cultura (Sedec), viabilizado por meio da antiga Lei Viva Cultura. O grupo se consolidou como um espaço de preparação artístico-profissional, especialmente para jovens na faixa etária de 16 a 25 anos. Atualmente, a Orquestra de Câmara está sob a responsabilidade da Funjope.

Coro de Câmara Villa-Lobos – O grupo é um dos mais tradicionais de João Pessoa, regido pela batuta do maestro Carlos Anísio. Atua ao lado de várias orquestras e apresenta um repertório tradicional e especializado.