menu

Política

18/07/2019


Novas mensagens publicadas pelo Intercept revelam que Moro interferiu em delações de executivos da Camargo Corrêa

De acordo com a publicação, as mensagens trocadas em 2015 mostram que os procuradores "cruzaram os limites impostos pela legislação de manter juízes afastados de conversas com colaboradores".

Na imagem, o inistro da Justiça Sérgio Moro (Arquivo Web)

Mensagens divulgadas na manhã desta quinta-feira (18) pelo Intercept revelam que o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, interferiu diretamente em duas delações, no âmbito da Operação Lava Jato, de dois executivos da Construtora Camargo Correia. 

 

De acordo com a publicação do jornal Folha de S. Paulo, as mensagens trocadas em 2015 mostram que os procuradores “cruzaram os limites impostos pela legislação para manter juízes afastados de conversas com colaboradores”.

 

Assinada por Ricardo Balthazar e Paula Bianchi, a reportagem revela ainda, nas mensagens interceptadas, que Moro avisou aos procuradores que só homologaria as delações se a pena proposta aos executivos incluísse pelo menos um ano de prisão em regime fechado.

 

Segundo o texto dos jornalistas, a Lei das Organizações Criminosas, de 2013 diz que juízes devem se manter distantes das negociações e têm como obrigação apenas a verificação da legalidade dos acordos após sua assinatura.

 

“As mensagens obtidas pelo Intercept mostram que Moro desprezou esses limites ao impor condições para aceitar as delações num estágio prematuro, em que seus advogados ainda estavam na mesa negociando com a Procuradoria”, aponta a reportagem.

 

As mensagens

“No dia 23 de fevereiro de 2015, o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, escreveu a Carlos Fernando dos Santos Lima, que conduzia as negociações com a Camargo Corrêa, e sugeriu que aproveitasse uma reunião com Moro para consultá-lo sobre as penas a serem propostas aos delatores”, escrevem os jornalistas.

– A título de sugestão, seria bom sondar Moro quanto aos patamares estabelecidos – disse Deltan. 

– O procedimento de delação virou um caos. O que vejo agora é um tipo de barganha onde se quer jogar para a platéia, dobrar demasiado o colaborador, submeter o advogado, sem realmente ir em frente. Não sei fazer negociação como se fosse um turco. Isso até é contrário à boa-fé que entendo um negociador deve ter. E é bom lembrar que bons resultados para os advogados são importantes para que sejam trazidos novos colaboradores – respondeu Carlos Fernando.

– Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde? “Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir FALAR com ele, o que não significa que seguiremos – interferiu Deltan.

 

A opinião de Moro foi parcialmente respeitada. Com a assinatura dos acordos, dois dias depois, ficou acertado que os dois executivos da Camargo Corrêa, Dalton Avancini e Eduardo Leite, ficariam mais um ano trancados em casa, mas não num presídio.

 

Em nota, Moro negou ter participado dos acordos. “Enquanto juiz, não houve participação na negociação de qualquer acordo de colaboração”, diz nota enviada por sua assessoria. As informações são do 247

 

LEIA MAIS: Lula reage às revelações da vaza jato: “a máscara deles vai cair”