Walter Santos comenta legado de Jota Júnior na vida, comunicação e política - WSCOM

menu

Paraíba

24/04/2017


Walter Santos comenta trajetoria de Jota

LUTO NA IMPRENSA

Foto: autor desconhecido.

O multimídia Walter Santos lamentou a morte do colega de trabalho, Jota Júnior, nesta segunda-feira (24). Ele morreu de parada cardíaca indo a Porto Alegre onde faria transplante de fígado.

"Lá se vai um Homem Bom, um ícone do domínio fantástica em torno da Mídia eletrônica e do rádio brasileiro".

Leia na íntegra;

As lições que Jota Júnior deixa com sua partida

A vida e seus mistérios. Está nos quatro cantos a triste notícia de morte do multimídia Jota Júnior, um dos mais marcantes Homem de mídia de toda nossa História.

A primeira lição sacramentada para os humanos é de que não se deve deixar de tentar. O poeta maluco beleza interpretou isso na canção "Tente outra vez".

Jota Júnior morreu de parada cardíaca indo a Porto Alegre onde faria transplante de fígado, o primeiro e grande adversário de sua vida.

A VAIDADE E SOBERBA

A partida de Jota conduz consigo a grande lição que todos os humanos com evidência, vaidade poder transitório ou não, bem poderiam refletir duas ações no auge da fama para saber tratar bem o outro porque de nada vale a soberba, o tratar mal mesmo na fama.

Na nossa profissão e meio de vida quantos já não foram tudo e hoje nem tanto assim, mas no auge tratavam mal seus colegas e arredores. Em torno da Mídia, são muitos os setores e pessoas agindo soberbamente iludidos no efêmero do poder transitório.

Não é que Jota assim procedesse, ao contrário, porque fama, vaidade e poder têm tempo de validade. Tudo passa.

OUTRO FATOR POLITICO

Na vida, Jota Júnior pode ser dizer um Vencedor. Tinha cancha para estar nas TVs nacionais.

Mas num aspecto, Jota falhou quando confundiu popularidade e em nome das busca do Poder se perdeu no caminho ao assumir uma Promessa como prefeito de Bayeux sem condições de realizá-la.

Ele não fora moldado nem tinha capacidade para gestão pública. Sem isso, se perdeu no caminho, frustrou-se a si e aos seus fãs , que como eleitores não lhe aprovavam mais.

Fica também esta lição para todos os Atores e VIPs da Mídia , interessados no Poder efêmero da Política, caso reflitam se não têm condições de saber fazer Gestão Pública. Não se metam onde.nao lhes cabe, exceto de tiver o dom e capacidade de realizar.

SÍNTESE

Lá se vai um Homem Bom, um ícone do domínio fantástica em torno da Mídia eletrônica e do rádio brasileiro.

Como se diz lá na Torre, "vai com Deus".