Wall Street recebe bem indicação de Alckmin pelo PSDB - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

15/03/2006


Wall Street recebe bem indicação

Os analistas de Wall Street tinham apenas elogios sobre o governador paulista, Geraldo Alckmin, indicado na terça-feira pelo PSDB como candidato da legenda à Presidência da República nas eleições deste ano.

Visto como o candidato mais pró-mercado na disputa presidencial brasileira, Alckmin deve enfrentar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no pleito de outubro, embora Lula ainda não tenha oficializado sua candidatura à reeleição.

Os analistas afirmam que não têm preocupação sobre um eventual segundo mandato de Lula, cuja política econômica agrada o mercado.

Eles, no entanto, não esconderam sua preferência pelo candidato tucano e alegaram que um segundo mandato de Lula pode não ser tão produtivo para os mercados financeiros como foi o primeiro.

“Achamos que Alckmin é provavelmente o melhor candidato para o Brasil de uma perspectiva de mercado, de uma perspectiva de reforma”, disse Gianfranco Bertozzi, estrategista para mercados emergentes do Lehman Brothers, em Nova York.

Alguns analistas disseram que a indicação de Alckmin pode dar ao mercado uma situação em que sairá ganhando independente do vencedor.

“O que o mercado está tranquilizado é do fato de que agora é uma disputa entre Lula e alguém que eles também acham que será responsável com a economia”, disse Vitali Meschoulam, analista para América Latina da HSBC Securities. “Então é quase um resultado muito positivo de qualquer jeito.”

Alckmin ganhou na terça-feira a queda de braço com o prefeito de São Paulo, José Serra, que também disputava a indicação e aparece com mais chances de vencer Lula segundo as últimas pesquisas de opinião.

“Na nossa visão, esse resultado é positivo. Serra é visto pelos mercados como um gerente micro. Alguém que é um administrador eficiente, mas que também– estando certo ou errado– é visto pelo mercado como muito intervencionista”, escreveu Nuno Camara, economista para a América Latina do Dresdner Kleinwort Wasserstein, em um relatório.

Os analistas esperam que a posição de Alckmin nas pesquisas melhore, uma vez que, tornando-se o candidato oficial do PSDB, sua exposição na mídia deve aumentar.

Outra vantagem que favorece o governador de São Paulo é de que, até o momento, não foi feita nenhuma acusação contra o seu governo, enquanto Lula tem que lidar com uma série de escândalos.

“Embora esteja atrás do atual presidente Lula nas pesquisas, o governador Alckmin é, em grande escala, uma cara nova e imaculada na política o que, no contexto de um cenário político manchado por uma série de escândalos de corrupção, pode se tornar uma importante vantagem”, disse o analista do Goldman Sachs, Alberto Ramos, em um relatório.

“Seus principais ativos na disputa são a baixa taxa de rejeição e o que é visto como um grande potencial de crescer nas pesquisas, uma vez que a campanha presidencial começa em agosto”, acrescentou.

Os mercados financeiros do Brasil ficaram em terreno positivo na terça-feira, em parte por causa da indicação de Alckmin, segundo analistas. Alguns profissionais afirmam que os mercados pode voltar a subir caso Alckmin apareça ganhando espaço em pesquisas de opinião futuras.

Notícias relacionadas