Vital Filho anuncia desfiliação do PDT e denuncia 'comercialização'do partido - WSCOM

menu

Política

18/08/2005


Vital Filho anuncia desfiliação do

O deputado Vital do Rêgo Filho não pertence mais ao Partido Democrático Trabalhista (PDT). Ele pediu desligamento dos quadros da legenda em carta encaminhada ao presidente da executiva nacional pedetista, Carlos Luppi, onde denunciou a prática mercantilista a que foi submetido o partido na

Paraíba.

Segundo ele, “o comportamento dos atuais dirigentes do PDT

paraibano põe em risco a história partidária construída com o decisivo empenho de grandes nomes comprometidos com os interesses da sociedade, com destaque para o ex-governador Leonel Brizola.

– As ações dos dirigentes do PDT na Paraíba estão contaminando o partido, transformando-o em uma ‘legenda de aluguel’; permutando cargos por apoio; abafando postulações internas de filiados históricos, e permitindo

aumentar a tensão, bem conhecida desta presidência há vários anos”, comentou Vitalzinho.

Ele lembrou que integrou os quadros do PDT durante 15

anos, período em que ocupou dois mandatos de vereador e três mandatos sucessivos de deputado estadual, sendo o único representante do partido na Assembléia Legislativa nos últimos dez anos.

Como membro da legenda, o deputado lembrou que sempre se manteve coerente aos ensinamentos recebidos do maior de todos os pedetistas: Leonel Brizola.

“O sofrimento forjado nas ruas, o teste repetido das urnas, os

constantes assédios, nada, nunca me fizeram mudar de partido. Também não exigi nem postulei ser ‘dono da legenda’, nem mesmo ser seu presidente, sabendo que sou o único parlamentar na Assembléia Legislativa do Estado”,

ressaltou.

– Operando em surdina, amparado pela escuridão do poder, mãos traiçoeiras me golpearam. O Governo do Estado, dispondo de cargos, trocou-os com a direção estadual da legenda para se servir do partido, tornando-se seu

locatário e ao mesmo tempo desmantelando nossos quadros”, observou.

“Em que pese anúncios na mídia oficial, os atuais inquilinos não trouxeram nenhum crescimento ao PDT até os dias de hoje”, acrescentou.

Na carta à direção nacional do PDT, o deputado observou que resistiu às perseguições, manteve-se na legenda, apelou às instâncias partidárias e recebeu em todas as demandas pleiteadas o apoio da Justiça (que sabe reconhecer o Direito) contra a opressão do poder econômico e político.

“Hoje, o partido no Estado vive seus estertores. Não filia, não conquista, lembra um passado de dignidade e vive um presente deprimente”, comentou, lembrando que depois de frustradas todas as tentativas de lhe afastar do partido, os atuais dirigentes pedetistas o representaram na Comissão de

Ética sob o argumento que ele estava esvaziando a Legenda.

“Todavia, o tempo mostrou que aumentamos nossa representação no Estado, e a tramaurdida para afastar da disputa nomes que engrandeceram o partido foi

derrotada nas urnas”, enfatizou.

Notícias relacionadas