Vereador lamenta falta de diálogo entre a Prefeitura e profissionais em greve - WSCOM

menu

Paraíba

27/04/2011


Vereador quer diálogo para fim de greve

Impasse

Foto: autor desconhecido.

O vereador Marcos Vinicius (PSDB) lamentou o posicionamento da prefeitura de João Pessoa com relação a greve dos professores que paralisaram suas atividades desde a última segunda-feira. A secretária de Educação, Ariane Sá, declarou ontem que vai acionar a Justiça contra a greve. Para o vereador, está faltando bom senso da prefeitura para dialogar com os profissionais da educação, assim como faltou na relação com os médicos.

“Não se pode aceitar que um governo que espalha nos quatro quantos seu espírito democrático entre na Justiça contra duas greves seguidas, sendo que todos sabem que tanto no caso dos médicos, quanto no caso dos professores, as reivindicações são mais do que justas”, alegou.

Apesar de criticar a postura da prefeitura, o parlamentar ainda acredita que a Administração Municipal vai restabelecer o diálogo com a categoria. “Essa ainda é a melhor forma para se por fim a uma greve. Com diálogo, com propostas e não com ações na Justiça. Acredito que o espírito democrático que levou Luciano Agra ao Poder ainda vive dentro dele”, teorizou.

Marcos lembrou ainda que a política educacional do município vem sendo equivocada. Para ele, a prefeitura se preocupa em construir escolas, mas não tem a mesma preocupação em manter e ampliar o número de alunos em sala de aula.

“Na época em que o senador Cícero Lucena (PSDB) era o prefeito da cidade, nós tínhamos 65 mil alunos em sala de aula, agora temos apenas cerca de 57 mil, sendo que a população de João Pessoa cresceu muito nos últimos anos”, destacou o parlamentar tucano.

O vereador também lembra da paralisação dos médicos que foi encerrada por força judicial, mas destacou que a mobilização da categoria continua e apela ao prefeito Luciano Agra receba a categoria e apresentar propostas convincentes. “Obras de pedra e cal não são suficientes para solucionar os problemas da Saúde e da Educação. É preciso que os profissionais tenham condições salariais e ambientais para exercer o trabalho de forma eficiente”.
 

Notícias relacionadas