UFPB prevê colapso e adere a paralisação nacional que acontece no próximo dia 15 - WSCOM

menu

Paraíba

08/05/2019


UFPB prevê colapso e adere a paralisação nacional que acontece no próximo dia 15

A reitora UFPB, Margareth Diniz, anunciou que à partir de outubro a instituição não terá mais recursos e aproximadamente 700 terceirizados podem ser demitidos.

Na imagem, Margareth Diniz

A reitora da Universidade Federal de Paraíba (UFPB), Margareth Diniz, anunciou que à partir de outubro, a instituição não terá mais recursos para pagar terceirizados, comprar reagentes necessários para as aulas e manter despesas de custeio, o que resultará no bloqueio de bolsas de estudos. Diante do colapso, outra medida extrema pode ser adotada com a demissão de aproximadamente 700 servidores.

 

No relatório de atividades da Universidade, consta o bloqueio de R$ 44.742.865,00 de recursos de custeio e de R$ 5.645.537,00 oriundos de emendas da bancada federal de deputados e de senadores, que totalizam um corte de 32,75% no orçamento da instituição para este ano.

 

Paralisação nacional e adesão

Até o dia 15 de maio, data marcada para paralisação nacional da educação contra o corte no orçamento das Instituições Federais de Ensino Superior (ifes), ocorrerão plenárias para discutir esta conjuntura. Esse foi o encaminhamento de assembleia universitária realizada na tarde de ontem (7), no Auditório Professor Milton Paiva, no prédio da Reitoria, no campus-sede, em João Pessoa.

 

Com o espaço ocupado por gestores, membros de colegiados e de entidades de classe, professores, técnico-administrativos e estudantes, a assembleia, presidida pela reitora Margareth Diniz, teve início com a apresentação de relatório com números da UFPB referentes ao período de 2012 a 2018, pela pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Elizete Ventura e anúncio da adesão.

Parlamentares estiveram presentes

As deputadas estaduais Estela Izabel (PSB) e Cida Ramos (PSB), o presidente da Associação dos Docentes da UFPB (Adufpb) Cristiano Bonneau, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Ensino Superior do Estado da Paraíba (Sintespb) Geralda Vitor e representação do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFPB também integraram a mesa de debate.