Ucrânia quer surpreender a favorita Itália - WSCOM

menu

Mais Esporte

30/06/2006


Ucrânia quer surpreender a favorita

Quando foram definidos os confrontos da fase final da Copa do Mundo, a Itália pegou o chaveamento considerado mais fácil até a semi. Mesmo assim, sofreu para fazer 1 a 0 na Austrália nos acréscimos, com um homem a menos. Nesta sexta-feira, às 16h (de Brasília), em Hamburgo, o time de Marcelo Lippi coloca sua sorte à prova contra a Ucrânia.

Alemanha e Argentina fazem 1º duelo de campeões

Tricampeã mundial, a equipe azul tem pela frente um adversário estreante em copas. Sem atuações convincentes da estrela Andriy Shevchenko, o time do leste europeu alcançou as quartas-de-final com apresentações irregulares e uma vitória nos pênaltis após empate sem gols com a Suíça, nas oitavas.

Lippi não negou o favoritismo da Itália, mas ironizou a propalada sorte italiana. “Perdemos Totti por três meses com uma lesão, depois Zambrotta, Gattuso e Nesta. Além disso, temos que lidar com acontecimentos inéditos na Itália”, disse o treinador, referindo-se ao escândalo de manipulação de resultados, antes de concluir: “Sim, vocês podem dizer que eu tenho tido muita sorte”.

Recuperados, Totti, Zambrotta e Gattuso atuaram sem maiores problemas contra os australianos. Nesta, no entanto, segue lesionado e dificilmente entrará em campo. Como Materazzi foi expulso na última partida, Andrea Barzagli deve formar a dupla de zaga com o capitão Fabio Cannavaro.

Do lado ucraniano, a partida de 120 minutos com os suíços deixou seqüelas. O meia-atacante Voronin, que se esforçou muito durante o confronto, sofreu uma lesão muscular e deu adeus à Copa do Mundo. Ainda sem o melhor ritmo de jogo, Shevchenko segue entre os titulares.

Recentemente contratado pelo Chelsea, o atacante defendeu o Milan durante anos e tem vários amigos na seleção italiana. No jogo desta sexta, porém, prometeu deixar isso de lado para levar seu time a uma histórica classificação para as semifinais.

“Passei sete anos maravilhosos na Itália e devo muito a esse país, mas agora meus amigos serão inimigos. É o jogo mais importante da história da Ucrânia”, declarou o camisa 7 da seleção ucraniana.

Quem sobreviver ao confronto de Hamburgo encara o vencedor da partida entre a anfitriã Alemanha e a Argentina. As duas equipes medem forças também nesta sexta-feira, às 12h (de Brasília), em Berlim.

Notícias relacionadas