Sob impasse, Senado adia para sábado eleição de presidente; sessão será comandada por José Maranhão - WSCOM

menu

Política

01/02/2019


Sob impasse, Senado adia para sábado eleição de presidente; sessão será comandada por José Maranhão

Foto: autor desconhecido.

O Senado suspendeu na noite desta sexta-feira (1º) a sessão que definiria o novo presidente da Casa. A nova sessão foi marcada para a manhã deste sábado (2), com o senador paraibano José Maranhão (MDB), o mais antigo da casa, na presidência dos trabalhos.

 

Por proposta do senador Cid Gomes (PDT-CE), a votação foi congelada na noite desta sexta e Davi Alcolumbre (DEM-AP), que presidia a mesa, não será mantido no comando por ser um dos candidatos à presidência do Senado.


A suspensão foi proposta pelo senador Cid Gomes (PDT-CE) para tentar pôr fim à divergência em torno de quem deveria conduzir a reunião. A proposta foi aprovada em votação simbólica (sem contagem de votos).


Houve tumulto durante toda a sessão sobre a condução dos trabalhos pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).


Outro ponto de forte embate entre os senadores foi sobre a votação. Um grupo defendia que a votação fosse aberta, enquanto outra defendia votação secreta.


Presidente em exercício da sessão, Alcolumbre colocou a proposta em votação simbólica, e a maioria dos parlamentares concordou em deixar para sábado a eleição para presidência da Casa.


Uma ala defendia que Alcolumbre abrisse mão de conduzir os trabalhos por ser candidato a presidente. Outra ala defendia a suspensão da sessão a fim de que os parlamentares chegassem a um acordo sobre quem passaria a conduzir a sessão.


Senadora Kátia Abreu pega pasta da mesa diretora do Senado

Em um momento mais tenso, a senadora Kátia Abreu (MDB-TO) chegou a ocupar a Mesa Diretora e tomou das mãos de Alcolumbre a pasta na qual estavam os documentos referentes à sessão (veja no vídeo acima).

 

Renan Calheiros

Indicado pelo MDB como candidato do partido à presidência do Senado, Renan Calheiros criticou o acordo e afirmou em entrevista que não pode haver acordo “contra a Constituição, a democracia, a liberdade de expressão”.

 

Segundo ele, o adversário Davi Alcolumbre agiu como se pudesse “tudo”. “Se o Davi [Alcolumbre] pode fazer tudo isso, eu vou fazer a mesma coisa que o Juscelino [Kubitschek] fez em 64. Eu vou votar no Davi, porque ele pode tudo. Meus companheiros do MDB que me desculpem”, afirmou Renan.


Durante toda a sessão, Renan entrou em embate com Davi Alcolumbre.


Por Redação com G1