Temer faz balanço da sua gestão, descarta auto crítica e diz que entregou o Brasil melhor do que o recebeu - WSCOM

menu

Política

25/12/2018


Temer faz balanço da sua gestão, descarta auto crítica e diz que entregou o Brasil melhor do que o recebeu

Presidente da República usou a cadeia de rádios e TV para fazer um pronunciamento oficial nesta segunda-feira (24)

Na imagem, o ex-presidente da República Michel Temer

presidente da república, Michel Temer (MDB), usou a cadeia de rádio e TV na noite desta segunda-feira (24), véspera de Natal, para fazer uma espécie de balanço de sua gestão de pouco mais de dois anos e meio.

Em tom de despedida, afirmou que sai de alma leve e sensação de dever cumprido, apesar de ter obtido um constante índice de reprovação popular acima de 70%, segundo os institutos de pesquisa.

 

O emedebista disse que não iria falar do que fez porque, assinalou, esse julgamento caberá ao tempo. “Não estou aqui para falar do que foi feito no meu governo e de como foi feito. Isto cabe ao tempo demonstrar”, discursou Temer, afirmando desejar um país cada vez mais próspero e fraterno.

“Tenham certeza, gostaria de ter dado um Brasil ainda melhor a todos vocês. Mas, também podem estar certos de que não poupei esforços, nem energia e sei que entrego um Brasil muito melhor do que aquele que recebi. Ficam as reformas e os avanços, que já colocaram o nosso país em um novo tempo. Saio com a alma leve e a consciência do dever cumprido”, afirmou, em seu pronunciamento.

 

Temer agradeceu ainda a todos os brasileiros, os que o apoiaram ou não. “Porque democracia é isso. É poder pensar e provar que é possível fazer mais pelo Brasil e pela vida de todos, independentemente das dificuldades, das barreiras impostas. Aliás, foi o que me deu ainda mais força para seguir em frente. Valeu cada obstáculo vencido, cada momento vivido, cada conquista feita.”

 

Vice de Dilma Rousseff (PT), o emedebista assumiu o poder em maio de 2016 após fazer parte, nos bastidores, do movimento político que resultou na destituição da petista.

 

Em sua gestão, aprovou o congelamento dos gastos federais e uma reforma trabalhista que atendeu a anseios históricos do empresariado, mas não conseguiu avançar na reforma da Previdência.

 

Sofreu três denúncias apresentadas pela PGR (Procuradoria-Geral da República), enfrentou uma greve de caminhoneiros que paralisou o país e teve amigos e assessores presos sob acusações de corrupção.