WS analisa desafios conflitantes no Governo Federal e na Paraíba - WSCOM

menu

Política

24/12/2018


WS analisa desafios conflitantes no Governo Federal e na Paraíba

Foto: autor desconhecido.

O jornalista e analista Walter Santos comenta, nesta sgeunda-feira (24), a conjuntura política esperada na Paraíba e no Brasil com os interesses conflitantes esperados pelos dois governos eleitos nos âmbitos estadual e nacional.

Leia:

‘2019 impõe desafios conflitantes nos interesses; na Paraíba a realidade é diferente

Ninguém precisa fazer Doutorado na UFPB ou Harvard para identificar que o mundo projeta cenas de muitos conflitos, não só na Síria tentada por Israel, na Ucrânia no foco da Rússia ou na América do Sul – foco da ultradireita buscando impor seu Modus Operandi de barrar todas as Políticas inclusivistas.

No Brasil, onde mais nos interessa, vivemos uma projeção desproporcional e conflituosa porque a ordem do Governo Bolsonaro é impor uma agenda anti-conquistas populares 1988 e/ou buscando fazer vingar outra proposta neoliberal desfazendo as conquistas da Constituinte.

REALIDADE E CONFLITO

A nova Ordem impõe um cenário de enormes conflitos porque o Governo terá Oposição forte e destemida, ao mesmo tempo que enfrentará a pressão militarista e de setores conservadores, só que as negociações políticas de agora mostram fragilidade de Bolsonaro nesse âmbito congressual.

Dificilmente ele impedirá as eleições de Rodrigo Maia e Renan Calheiros na Câmara e Senado Federal. Isto o enfraquecerá, ou seja, o Governo Bolsonaro convive com possibilidades dificultosas.

O CASO PARAÍBA

O governador diplomado João Azevedo está disposto ao diálogo, mas dificilmente abrirá mão de diversas matérias de incremento econômico por desejos e interesses da União.

A partilha do Pré-sal, a DRU, Previdência e empréstimos aprovados para o BNDES não serão ignorados nem condicionados a segundo plano.

Trocando em miúdos, a projeção de enfrentamento no Nordeste será maior que diálogo, até porque o presidente Bolsonaro ignorou o Nordeste na sua equipe principal de ministros.

Eis a questão.’

Por Redação / Portal WSCOM