Blog de WS expõe fatos mostrando punição de Lula sem provas convincentes a exigir reparo da Justiça - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

23/12/2018


Blog de WS expõe fatos mostrando punição de Lula sem provas convincentes a exigir reparo da Justiça

Foto: autor desconhecido.

Até quando a Justiça ( 1a e 2a instância, STJ, STF, MPF) vai manter Lula preso sem provas convincentes para tamanha punição?

Estamos na véspera do Natal diante de um fato concreto: preso em Curitiba sob acusação de ser proprietário de imóvel em São Paulo, cujo apartamento de outra propriedade já foi negociado em Brasília por terceiros, o ex-presidente vive a condição de um réu com ação efetiva das várias instâncias da Justiça mantendo-o encarcerado por fatores externos ao Estado Democrático de Direito e, ao final, por perseguição jurídica inigualável.

Vamos ao fator básico da punição: o ex – juiz Sérgio Moro combinado com a 2a Instância em Porto Alegre puniu Lula sob a alegação dele, o ex-presidente , ter sido beneficiado por esquema de corrupção por ter adquirido ou se beneficiado por um Triplex em Guarujá , cuja propriedade é de terceiro, portanto, não é de Lula.

PRECISA EXPOR PROVAS CONVINCENTES

O Ministério Público Federal tem uma obrigação urgente de expor para a sociedade provas concretas – o que não fez ao lado de Sérgio Moro na fase anterior à condenação – de que o Triplex é de propriedade de Lula e não com a condição forjada (sem consistência) de modelo inventado de falsa condição de propriedade inexistente.

Power Point não é prova nem tem consistência para punir ninguém.

Tem mais: empresário flagrado em desvios de recursos publicos não tem abrigo legal ou moral para construir punição a alguém sem provas.

As quatro partes – o delator, o MPF, o juiz e a segunda instância – se mantêm absurdamente mantendo preso um acusado sem provas e isto é grave.

Punir Lula sem provas, repito, é grave crime conduzido pelas varias instâncias jurídicas, a partir do ministério público Federal e do juiz Sérgio Moro com seus pares de Porto Alegre com aval inaceitável do Supremo Tribunal Federal.