Éder Dantas estréia espaço de análises já abordando sucessão estadual - WSCOM

menu

Política

03/08/2018


Éder Dantas estréia espaço de análises já abordando sucessão estadual

Foto: autor desconhecido.

As eleições, os candidatos ao governo e a agenda de Temer

Éder Dantas

Findando o prazo de realização das convenções partidárias e às vésperas do início da campanha eleitoral, a sociedade começa a respirar o debate político. Na Paraíba, as coisas não poderiam ser diferentes.

Nosso estado foi beneficiário da onda de investimentos feitas na região Nordeste nos governos Lula da Silva e Dilma Roussef (pelo menos em seu primeiro mandato).

Foram obras de infraestrutura e nas áreas sociais que trouxeram milhões em recursos, a exemplo da duplicação de rodovias, construção de universidades, creches e escolas técnicas, Unidades de Pronto-Atendimento 24 horas, habitação social, programas para agricultura familiar, construção de cisternas, transposição das águas do Rio São Francisco e programas como o Bolsa-Família e os reajustes do salário mínimo, que aumentaram substancialmente a massa de recursos circulando por estas bandas, especialmente nas periferias das maiores cidades e no interior.

Entre 2002 e 2015 o Nordeste cresceu em média 3,3% ao ano entre 2002 e 2015. A Paraíba ficou acima da média, atingindo crescimento médio de 4,1%. Vale salientar o papel importante das ações desenvolvidas pelo Governo do Estado (atraindo investimentos e implementando obras importantes como a conclusão do Centro de Convenções, asfaltamento de toda a malha ferroviária estadual, construção das escolas técnicas estaduais e outras ações), fazendo movimentar a economia.

Mesmo em 2015, período em que a economia do país retrocedeu, nosso estado manteve desempenho superior à maioria dos demais.

Apesar dos avanços conquistados, o desmonte realizado pelo governo Temer em relação às políticas de desenvolvimento, distribuição de renda e inclusão social que seguiam em curso, promove muitos retrocessos, com impactos de norte a sul do país.

O Brasil está voltando ao Mapa da Fome, desigualdade aumenta, direitos estão sendo usurpados e o desemprego assola, especialmente as populações mais pobres, com destaque para os jovens e os negros, afora o descumprimento das metas previstas pelo Plano Nacional de Saúde e o desmonte do Sistema Único de Saúde – SUS.

As eleições que se avizinham serão um momento fundamental para a correção de rumos. A agenda política, econômica e social imposta por Temer, não se originou da vontade popular e, sim, de um golpe parlamentar, com origem em segmentos do alto empresariado nacional (vinculados a interesses externos) e apoiado por um aparato judicial e midiático.

A Paraíba precisa ficar de olho no posicionamento dos candidatos ao governo quanto aos grandes debates nacionais.

Nosso estado dificilmente avançará a contento, mantendo-se a atual agenda golpista. João Azevedo, Lucélio Cartaxo, José Maranhão, Tárcio Teixeira e Rama Dantas (nomes que deverão estar à disposição dos eleitores para o Governo do Estado) precisam dizer o que pensam sobre os rumos do país.

Ao mesmo tempo, devem apresentar uma agenda de desenvolvimento para a Paraíba, que mantenha os inegáveis avanços ocorridos no governo de Ricardo Coutinho e que indique o caminho para a Paraíba crescer, com equidade social.

Mantendo-se a agenda golpista atual (baseada em proposituras como a PEC 55 – que congela por 20 anos investimentos e gastos sociais -, a subtração de direitos trabalhistas e previdenciários, desmonte de nossas empresas estatais, entrega do Pré-Sal às petrolíferas estrangeiras, cortes de gastos em áreas vitais para o país funcionar e transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos), dificilmente o futuro governador (ou governadora) da Paraíba conseguirá implementar um plano de metas.

O governo federal tem perdido a capacidade de liderar os estados em ações desenvolvimentistas.

Antes de se perguntar pelo plano de governo de cada um dos postulantes ao Palácio da Redenção precisamos saber da seguinte questão: qual o posicionamento de cada um em relação ao golpe ocorrido em 2016, ao governo Temer e sua política econômica e social? A depender dessa resposta conheceremos melhor quem quer nos governar e já poderemos começar a imaginar o que a Paraíba poderá esperar dele a partir de 01 de janeiro de 2019.

Agradecimento

Aproveito a ocasião da estréia de minha coluna no WSCOM ao jornalista e amigo torrelandense Walter Santos pela oportunidade de expor minhas idéias neste que é um dos portais de maior credibilidade da imprensa paraibana.

Sempre dentro do respeito, e buscando emitir opiniões fundamentadas, pretendemos fazer desta Coluna uma ferramenta de reflexão sobre a realidade, sempre com os pés ficados na terrinha, contribuindo com o debate democrático, abordando temas como política, educação, cultura e comportamento.