Temendo novas explosões, Índia pede que locais públicos na capital sejam evitado - WSCOM

menu

Internacional

30/10/2005


Temendo novas explosões, Índia pede

As autoridades indianas pediram neste domingo às pessoas que evitem espaços públicos na capital do país, Nova Déli, após as três explosões de bombas que mataram mais de 60 pessoas no dia anterior.

A ministra-chefe do Estado de Déli, Sheila Dixit, disse que os cidadãos devem evitar tais áreas porque ainda existe um risco de novas explosões.

Nova Déli foi colocada em estado de alerta depois das explosões. Policiais armados foram colocados em frente a prédios estratégicos e às principais áreas públicas da cidade.

A polícia local realizou buscas em pousadas e hotéis em toda a cidade e entregou esboços de um retrato-falado de um suspeito de ter colocado uma das bombas, que explodiu em um mercado lotado.

As autoridades também procuram por um homem que saiu de um ônibus deixando uma bolsa no veículo pouco antes de outra das explosões.

Suspeitas

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, disse que os atentados são obras de “terroristas”. Ele não deu o nome de nenhum grupo em particular, mas disse que os responsáveis não terão sucesso em seus objetivos.

A principal suspeita das autoridades indianas recai sobre o Lashkar-i-Toiba, um grupo muçulmano radical que luta pela auto-determinação da Caxemira.

Nenhum grupo reivindicou a autoria dos ataques. A polícia de Nova Déli disse ter detido várias pessoas para interrogatórios.

O Paquistão, que disputa com a Índia a soberania sobre a Caxemira e já foi acusado pelo vizinho de apoiar os grupos extremistas como o Lashkar-i-Toiba, classificou os atentados de “atos criminosos bárbaros”.

A Grã-Bretanha disse que os ataques mostram uma indiferença insensível e cínica com a vida, enquanto os EUA, a China e Bangladesh enfatizaram a necessidade de uma luta internacional coordenada contra o extremismo. A França disse que nada poderia justifica tais atos de horror.

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, disse que os ataques foram um choque.

Mercados atingidos

De acordo com a polícia, houve ao menos três explosões na tarde de sábado – as duas mais fortes atingiram movimentados mercados de Nova Déli.

A primeira ocorreu em Paharganj, no centro da cidade. A segunda ocorreu em Sarojini Nagar, ao sul do centro da capital indiana.

Todos os principais mercados da cidade receberam ordens para fechar.

A terceira bomba também explodiu numa região comercial, na área de Govindpuri, no sul da cidade.

As vítimas das explosões eram, em sua maioria, cidadãos comuns que faziam compras para os preparativos do festival das luzes, o Diwali, uma das principais festas na Índia, que pode ser comparada com o Natal cristão.

As férias de todo o pessoal da área médica foram canceladas, enquanto hospitais tentam atender os feridos. Mais de cem estão sendo tratados, alguns em estado grave.

Grupos militantes

O correspondente da BBC para assuntos de segurança, Rob Watson, disse que a Índia provavelmente abriga e é alvo de um grande número de grupos militantes ao redor do mundo.

Muitos desses grupos têm campanhas de violência bem localizadas. Mas extremistas islâmicos têm realizado os ataques mais sérios, segundo Watson.

Acredita-se que eles possam estar tentando prejudicar as relações entre a Índia e o Paquistão, que vêm melhorando.

Horas depois dos ataques, os dois países concordaram em abrir a linha de controle que divide a Caxemira para que ajuda chegue aos atingidos pelo terremoto do dia 8 de outubro.

Notícias relacionadas