Suassuna diz não agüentar mais paralisia dos trabalhos no Congresso - WSCOM

menu

Política

10/08/2005


Suassuna diz não agüentar mais

O líder do PMDB no Senado Federal, Ney Suassuna, disse hoje que está sonhando com a finalização da crise política que atingiu o Brasil há cerca de três meses e que tem paralisado as atividades no Congresso Nacional. “Estou sonhando com a finalização disso tudo, para gente voltar a correr atrás e exercer as atividades parlamentares aqui em Brasília, levar dinheiro e resultados para o nosso estado”, afirmou Suassuna.

Desde a instalação da enxurrada de CPI´s em Brasília, o senador tem criticado o tempo que os parlamentares têm se dedicado nos interrogatórios, além de estender também os comentários ao Plenário atrapalhando as votações. Ney Suassuna citou como exemplo a votação da medida provisória que elevou o valor do salário mínimo para R$ 300, na qual ele é relator. A MP era pra ter sido votada na última terça-feira em Plenário, mas acabou sendo adiada para ontem, 10, devido ao número de senadores que se inscreveram para discutir o tema.

“Não está nada fácil. É tempo demais nas CPI´s, nas votações. Cada um quer demonstrar a sua posição. Pra termos uma idéia, na terça comecei a relatar a MP do salário mínimo as quatro da tarde, nove horas da noite ainda não tinha terminado a discussão e a votação terminou sendo adiada”, lamentou o líder.

Suassuna reclama de muita discussão e pouca ação. “Eu gosto de resultados. Fico desesperado ao ver aqui em Brasília uma verdadeira Torre de Babel onde ninguém se entende”, afirmou. O líder peemedebista ratificou que é preciso que se puna logo quem tem culpa e que volte o clima de trabalho no Congresso. “A gente precisa trabalhar em paz e correr atrás dos projetos e melhorias para o nosso povo”, finalizou.

Notícias relacionadas