Sindipetro-PB desmente cartelização na venda de combustíveis e critica força-tar - WSCOM

menu

Economia & Negócios

18/08/2005


Sindipetro-PB desmente cartelização na v

O presidente do Sindipetro-PB, Evaristo Cavalcante, descartou a existência de cartelização nos postos de combustíveis de João Pessoa. Ele também criticou a ação da Curadoria do Consumidor, que anunciou a realização de uma força-tarefa para esta quinta-feira.

“Sempre que há ajustamento de preços para um patamar normal de comercialização, seja em aumento de preços pela distribuidora seja por retorno após um desequilíbrio econômico, o Ministério Público fala em cartel. Mas eles não se preocupam em vistoriar os preços predatórios de empresas que baixam bruscamente os valores, prejudicando os demais que têm dificuldades de sobreviver a essa concorrência”, disse.

Segundo Evaristo, o que aconteceu foi uma normalização de preços após uma guerra considerada abusiva pelos empresários do ramo petrolífero. “Quando esses preços predatórios acontecem, os autores nunca são na primeira hora procurados pela força-tarefa e nem pelos órgãos de defesa da concorrência”, completou.

Segundo Evaristo, o MP só entende que o melhor para o consumidor é o menor preço, mas quando caem os preços, a Curadoria do Consumidor não procura saber os motivos dessa queda.

“Isso gera enfraquecimento da categoria da revenda, transferência do patrimônio e a própria quebra do estabelecimento. Seria preciso triplicar ou quadruplicar o volume de vendas para obter uma margem de lucro”, argumentou.

A força-tarefa implementada pela Curadoria do Consumidor inicia seus trabalhos nesta quinta-feira à tarde. Evaristo alega que a margem de lucro bruto das revendedoras deve ser algo em torno de 20%.

Notícias relacionadas