Seminário discute atendimento odontológico de pessoas portadoras de HIV/Aids - WSCOM

menu

Paraíba

11/10/2005


Seminário discute atendimento odontológi

O I Seminário Internacional de Odontologia e Aids da Paraíba, que se encerra nesta terça-feira (11), no auditório do Complexo Hospitalar Clementino Fraga, em João Pessoa, reuniu autoridades nacionais e internacionais, bem como profissionais e estudantes da área de saúde na discussão de temas relacionados à melhoria da política de saúde bucal na Paraíba.

O objetivo do seminário é consolidar a formação continuada de dentistas de diferentes pólos do estado, capacitando-os como multiplicadores para a constituição de equipes municipais que acolham os portadores de HIV/Aids nas suas necessidades de atendimento odontológico.

O evento, iniciado ontem, 10, é inédito na Paraíba e reflete a parceria entre os governos estadual e federal, além do apoio de universidades públicas e a sociedade, e visa oportunizar a presença de vários especialistas em biossegurança e manejo clínico de patologias orais provocadas pelas enfermidades de transmissão sexual, particularmente a Aids. Ao mesmo tempo, amplia a participação de profissionais e estudantes de odontologia, bem como a dos profissionais dentistas que trabalham no Clementino Fraga, que é o hospital de referência estadual no tratamento das doenças infecto-contagiosas.

Único hospital a atender a demanda de pacientes que procuram a unidade em busca os serviços de saúde bucal, o setor de odontologia do Complexo Clementino Fraga também é o único do Estado a atender pacientes portadores do vírus HIV. Para o diretor do Complexo, Raul Câmara Costa, “o evento é uma grande oportunidade para atualização dos profissionais que trabalham no serviço, possibilitando assim a melhoria no padrão de atendimento atualmente ofertado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e que são portadores do vírus HIV”.

Palestra inaugural – O coordenador do Programa Estadual de DST/Aids da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Ranulfo Cardoso, foi o responsável pela palestra inaugural do evento, que abordou o tema “Aids na Paraíba”. Em sua explanação, acompanhada pela platéia que superlotou o auditório do Clementino Fraga, Ranulfo Cardoso revelou que no Brasil tem crescido a incidência da doença entre as mulheres, apesar de os homens ainda serem os detentores de um maior percentual histórico. De acordo com ele, de 1985 a junho deste ano, existem 2,538 mil casos da doença na Paraíba, sendo 1,481 mil entre homens e 697 em mulheres. “O número de casos entre homens ainda é prevalente, de forma que a razão é de 2,6 homens para cada mulher exposta ao vírus”, detalhou.

Ranulfo Cardoso informou que dos 223 municípios paraibanos, 138 já notificaram pelo menos um caso, sendo João Pessoa e Campina Grande os municípios com maior índice do vírus. “Além deles, os municípios de Bayeux, Santa Rita e Cabedelo, juntos, são responsáveis por 62,8% dos casos acumulados de Aids na Paraíba”, relatou.

O primeiro do dia do evento foi encerrado pela professora Valli Meeks, da Universidade de Maryland, em Baltimore (Estados Unidos), que em sua palestra falou sobre o tema “Manifestações bucais da infecção pelo HIV/Aids: diagnóstico e tratamento”.

Notícias relacionadas