Sem acordo, policiais mantêm indicativo de greve para 4ª; Eitel se reúne com Cás - WSCOM

menu

Paraíba

05/05/2008


Sem acordo, policiais mantêm indicativo

Os policiais civis ameaçam retomar o movimento grevista a partir desta quarta-feira, 7. Segundo o presidente da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (Aspol), Flávio Moreira, o prazo solicitado pelo governo estadual se expirou e nenhuma contra-proposta foi apresentada para a categoria que decide pelo futuro da greve por tempo indeterminado nesta terça-feira, 6, à 16h, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB).

De acordo com o presidente da Aspol já se passaram 19 dias, quatro a mais do que o tempo de trégua solicitado pela equipe do governo e até agora nenhuma das reivindicações foi atendida ou revista. “O governador prometeu atender a aprovação da Lei Organiza da Polícia e até agora não apresentou nada, como também não fez nenhuma proposta em torno da questão salarial”, diz.

Após a realização de várias assembléias pelo interior do Estado, os dirigentes do movimento já obtiveram o ‘sim’ em torno da proposta de retomada da greve por tempo indeterminado. “As assembléias no interior foram bastante produtivas e nós já temos o posicionamento da categoria para voltar a paralisar as atividades, no entanto, a decisão será tomada nesta terça-feira”, afirma Flávio Moreira.

O presidente da Aspol disse que lamenta que pó ‘governo do estado tenha jogado com a categoria dessa maneira’. “Nós concedemos o prazo que ele solicitou para provarmos que não somos intransigentes, acreditando que o governador estivesse sensibilizado com as dificuldades por que passa a categoria, mas foi em vão. Eu só tenho a lamentar”, completa Flávio Moreira.

Reunião – O secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Eitel Santiago, disse que reúne logo mais às 11h com o governador Cássio Cunha Lima para debater sobre o assunto. “Vamos nos reunir com o governador, já que ele está a frente das negociações, para definir alguma posição e só depois desse encontro é que teremos um desfecho”, afirmou Eitel.

Notícias relacionadas