Saelpa não apresenta proposta e possibilidade de greve dos Eletricitários aument - WSCOM

menu

Economia & Negócios

24/10/2005


Saelpa não apresenta proposta e

Terminou por volta do meio-dia a reunião do Sindicato dos Eletricitários com representantes da Saelpa e de acordo com o presidente do Sindicato, Manoel Henrique de Almeida, a divergencia de propostas dificulta um acordo, aumentando chances da greve ser deflagrada a partir desta terça-feira 25.

Manoel informou ao WSCOM Online que algumas localidades podem ficar até dias sem energia elétrica, caso a greve seja confirmada.

Segundo o sindicalista, se a greve for deflagrada apenas 30% dos serviços serão mantidos como determina a Lei de Greve, mas só áreas que precisem de serviços de emergências como hospitais, quartéis de polícia, abastecimento de água e outros receberiam atendimento de manutenção.

Manoel informou ainda que a Saelpa se apoiou em uma ação impetrada por um sindicato de Campina Grande que alega que o Sindicato dos Eletricitários da Paraíba não representa a categoria no interior do Estado.

O presidente rebateu dizendo que há trinta anos o sindicato luta pelos direitos dos eletricitários e que um diretor da Saelpa faz parte do sindicato de Campina e seria responsável pela ação.

Henrique informou que desde a privatização a empresa já reajustou a tarifa de energia elétrica em 187% e em contra partida os eletricitários receberam aumento de cerca de 25%.

Plano emergencial – Já a Assessora de Comunicação da Saelpa, Patrícia Teotônio, acredita que não haverá greve ao menos por enquanto. Ela explica que os dois sindicatos que representam a categoria no Estado apresentaram propostas divergentes e a negociação só poderá ter continuidade quando houver uma proposta unificada.

“Temos uma contra-proposta pronta, mas só quando houver um acordo entre os sindicatos será possível negociar”, explica.

Segundo Patrícia, a possibilidade de paralisação se tornou ainda mais remota depois que o sindicato que envolve os trabalhadores da Capital, o Silpe, se posicionou na tarde de hoje contrário a possibilidade de paralisação.

Patrícia disse ainda que a população deve ficar tranqüila, pois mesmo com a greve o fornecimento de energia não será afetado. Ela explica que a empresa tem um plano emergencial para esse tipo de situação e que, sendo um serviço essencial, pela lei, o fornecimento não pode sofrer prejuízos.

Notícias relacionadas