Rui Falcão é eleito presidente do PT e vai comandar o partido até 2013 - WSCOM

menu

Política

29/04/2011


Rui Falcão é eleito presidente do PT

Foto: autor desconhecido.

Depois de o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, ter oficializado a renúncia ao cargo por problemas de saúde, o Diretório Nacional da sigla aprovou, por unanimidade, nesta sexta-feira (29) a efetivação no cargo do vice-presidente Rui Falcão. Ele vai comandar o partido até 2013, quando deve ocorrer novo processo de eleições diretas para o comando da sigla.

Ligado ao PT paulista, Falcão já comandava o PT durante o período em que Dutra permaneceu licenciado das atividades para se tratar de um quadro de hipertensão crônica.

O novo presidente petista foi nome de consenso durante a reunião da chapa Partido que Muda o Brasil (PMB), composta pelas correntes Construindo um Novo Brasil, Novos Rumos e PT de Luta e de Massa.

Durante a reunião do Diretório Nacional, que começou na manhã desta sexta e só deve terminar no final da tarde de sábado, coube ao ex-deputado José Genoino a missão de apresentar o nome de Falcão à cúpula petista. “É um militante de larga experiência na militância de esquerda, que tem o compromisso do fortalecimento do PT”, afirmou Genoino.

A eleição de Falcão tornou-se praticamente certa desde que o atual líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), recusou a possibilidade de ocupar o cargo. Costa afirmou que tinha um compromisso com seu estado e que iria continuar senador para reestruturar a liderança petista na Casa.

Delúbio Soares

Eleito durante reunião de pouco mais de uma hora nesta sexta, Falcão terá como primeira missão conduzir os debates em torno do possível retorno do ex-tesoureiro Delúbio Soares ao PT.

Expulso em 2005 após acusação de envolvimento no escândalo do mensalão, Delúbio apresentou carta pedindo a refiliação na manhã desta quinta-feira (28). Na parte da tarde, o ex-tesoureiro foi ao Diretório Nacional do PT em Brasília e chegou a fazer um depoimento emocionado aos petistas solicitando a aprovação de sua volta.

Em três parágrafos, o ex-tesoureiro argumenta na carta que nunca procurou outra legenda e que se manteve fiel ao PT durante todo o tempo em que permaneceu fora do partido. Redigida pelo próprio Delúbio, a carta chegou a ser discutida nesta quinta, mas nenhuma decisão foi tomada. A expectativa entre os petistas é que o pedido de Delúbio só seja analisado pelo Diretório Nacional na reunião deste sábado (30).

Notícias relacionadas