Rooney volta, mas Inglaterra sofre para vencer Trinidad - WSCOM

menu

Mais Esporte

15/06/2006


Rooney volta, mas Inglaterra sofre

Wayne Rooney voltou, entrando aos 12min do 2º tempo no lugar de Owen. E, ao manter o gigante Crouch em campo, o técnico Eriksson garantiu o início da suada vitória de 2 a 0 sobre Trinidad e Tobago, nesta quinta em Nuremberg. Com uma cabeçada aos 37min do 2º tempo, no 30º lance de jogo aéreo forçado pelos ingleses na partida, Crouch classificou sua seleção antecipadamente no Grupo B da Copa do Mundo. Gerrard, com um chute forte de fora da área, aumentou aos 45min.

Com 6 pontos, a Inglaterra só pode ser alcançada por uma seleção no grupo, independentemente do resultado de Suécia e Paraguai, jogo marcado para 16h desta quinta-feira. Com um ponto, Trinidad ainda segue com chances de classificação.

O gol saiu pouco depois que os ingleses tiveram de amargar um coro de “Olé!” da torcida de Trinidad presente ao estádio, empolgada com uma troca de passes de seus jogadores no meio-campo.

Foi um jogo tipicamente britânico: muitas bolas altas, chutes de média e longa distância e energia objetiva substituindo dribles e toque mais artístico.

Em meia hora de jogo, a Inglaterra já levantara 18 bolas sobre a área de Trinidad e conseguira quatro escanteios. Porém, o grande trunfo da altura de Crouch (2,01 m) andou anulado porque Trinidad é um dos poucos times com um zagueiro com estatura equivalente (Lawrence, com 2,00 m).

Na área de Trinidad, Lawrence marcou Crouch em cima e atrapalhou o atacante inglês na maioria das jogadas. Nos escanteios a favor da seleção caribenha, era a vez de Crouch grudar em Lawrence para evitar que ele cabeceasse.

Nas poucas vezes em que se viu livre de Lawrence no 1º tempo, Crouch deu saudades de Rooney. Na primeira, num cruzamento da esquerda, o gigante conseguiu concluir quase sem ângulo, mas Hislop defendeu bem e botou para escanteio.

Pior foi num rápido contra-ataque aos 42min do 1º tempo, quando Beckham cruzou certinho e encontrou Crouch sozinho na área, junto à marca de pênalti. Pois Crouch conseguiu perder o gol feito, chutando torto para fora. A bola saiu pela linha de fundo, mas chegou a dar a impressão que ia para a lateral quando o chute partiu.

Apesar disso, o técnico Sven-Goran Eriksson preferiu tirar Owen para a tão esperada entrada de Rooney no time aos 12min do 2º tempo, mantendo Crouch (que pouco antes perdera outra chance estabanada, embora com perigo menor ao gol de Trinidad).

Uma opção pelo jogo aéreo. Inicialmente, pareceu a opção errada, ainda mais quando Crouch cabeceou para fora após mais um cruzamento que o encontrou livre, aos 23min do 2º tempo.

Aos 37min, Crouch se redimiu de todas as suas conclusões defeituosas: mais uma vez, beckham levantou da direita sobre a área e, com seu marcador Sancho não levantando do chão, Crouch cabeceou bem para fazer o gol da Inglaterra.

Também aos 12min, Eriksson colocou o meia Lennon no lugar de Jamie Carragher, que substituía o contundido Gary Neville na lateral direita. Uma opção mais ofensiva.

Talvez Eriksson acreditasse que não precisava se fechar muito diante de Trinidad e Tobago. Porém, se isso ocorreu, ele deve ter se esquecido que as duas chances mais perigosas do 1º tempo foram do time caribenho.

Aos 35min, Yorke cobrou escanteio pela esquerda e Stern John se soltou de Carragher para cabecear para fora, bem próximo ao gol.

O atacante trinitário levou mais perigo aos 44min do 1º, quando Robinson falhou ao sair para a bola. Stern tocou antes que Ferdinand e Terry, que o acompanhavam. A bola só não entrou porque Terry esticou a perna para desviá-la quase em cima da linha.

Nem mesmo a entrada de Rooney fez a Inglaterra aproveitar o domínio de campo. A defesa de Trinidad estava bem postada, com a dupla de zaga Sancho e Lawrence bloqueando quase tudo. Quando uma tabelinha em triangulação do ataque inglês iludiu a defesa e acabou com um chute de Lampard, quem salvou foi o goleiro Hislop, aos 31min do 2º.

Se a Inglaterra, cada vez mais ansiosa, não conseguia fazer seu gol, Trinidad se aproveitou de arrancadas de Glen, que entrou no 2º tempo, para assustar, embora as conclusões do lance não tenham sido perigosas.

Aos 45min do 2º, em mais uma opção inglesa tradicional, Gerrard marcou o segundo gol num forte chute de fora. Aos 46min o árbitro anulou um gol de Stern John por impedimento que não existiu.