Ronald Farias: morte por uso de celular em carros já é 6 vezes maior que álcool - WSCOM

menu

Saúde

04/09/2017


Ronald discute uso de celular em carros

ÍNDICE ALTO DE MORTE

Foto: autor desconhecido.

O presidente da Sociedade Brasileira de Neurologia, médico paraibano Ronald Lucena de Farias, revelou ao Portal WSCOM com Exclusividade, antes de embarcar para Congresso em Buenos Aires, que os índices existentes apontam para a estatística de seis vezes mais mortes no trânsito por causa do uso do celular em comparação a utilização de álcool.

– Infelizmente, estes são os índices da atualidade a exigir diversas ações, inclusive educativas, porque a estatística mostra dados altamente preocupantes – afirmou.

Ronald Farias explicou que a Sociedade Brasileira de Neurologia está desenvolvendo campanhas educativas, como aconteceram no domingo passado.

NEURO EM AÇÃO – A Semana de Responsabilidade Social denominada Neuro em Ação, ocorrerá de 11 a 15 de setembro de 2017. O objetivo é conscientizar a população quanto aos perigos de alguns hábitos cotidianos como o uso do aparelho celular ao volante, o mergulho em águas rasas e as más posturas corporais. A frase-chave “Use a cabeça. Proteja seu corpo” reflete a importância da campanha.

As aulas e todo o material para divulgação estão disponíveis no site http://portalsbn.org/portal/semana-neuro-em-acao/.

Na última semana, presenciamos várias ações educativas em diversos estados brasileiros, com a colaboração da sociedade regional, dos residentes e das ligas acadêmicas. A campanha Neuro em Ação tem sido amplamente divulgada em escolas, hospitais e praças públicas. Diversos atores, blogueiros e outras figuras públicas vestem a camisa e apoiam a campanha nas redes sociais.

Em João Pessoa (PB), a Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), em parceria com a SBN, deu início ao evento ‘Neuro em Ação’ com um mutirão de cirurgias durante a última semana. Foi uma oportunidade ímpar que deu celeridade no atendimento dos pacientes, não apenas de João Pessoa, mas de todo o estado, que aguardavam a realização de cirurgias neurológicas.

Notícias relacionadas