Roberto Carlos usa Cafu para cutucar Pelé, desafeto da seleção - WSCOM

menu

Mais Esporte

08/06/2006


Roberto Carlos usa Cafu para

A seleção brasileira rompeu definitivamente com Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Depois de ser ironizado por Carlos Alberto Parreira e criticado publicamente pelo capitão Cafu, o “rei” do futebol foi cutucado nesta quarta-feira por Roberto Carlos.

“O Cafu tem uma trajetória na seleção até melhor que a do Pelé”, disparou o lateral-esquerdo, ao ser questionado sobre a carreira do companheiro, que completou 36 anos. “Ele só não é mais elogiado porque é um defensor. Mas veja quantos títulos ele conquistou, os clubes que defendeu e o que o Cafu representa para a seleção”, continuou.

Cafu estreou na seleção em 1990, em um amistoso contra a Espanha. Desde então disputou 146 jogos, obtendo 88 vitórias, 38 empates e 19 derrotas. Foi campeão mundial em 1994, nos Estados Unidos, e 2002, na Coréia e Japão – foi vice em 1998, na França. Marcou cinco gols.

Pelé disputou quatro mundiais e conquistou três: 1958 (Suécia), 1962 (Chile) e 1970 (México). Marcou 95 gols pelo Brasil e, ao lado de Ronaldo, é o maior artilheiro do país em mundiais: 12 gols. Disputou 114 partidas.

A relação conturbada entre Pelé e atual seleção começou em março deste ano. O ex-jogador declarou que problemas pessoais estavam atrapalhando Ronaldo dentro de campo e o atacante do Real Madrid rebateu dizendo que Pelé “foi um oportunista barato”. Pediu ainda para o santista deixá-lo em paz.

No início de junho, uma outra entrevista de Pelé agitou o ambiente da seleção, que estava concentrada em Weggis, na Suíça. Ao jornal britânico “The Times”, Pelé afirmou que os atacantes tricampeões da seleção de 1970 eram mais organizados que os atuais, assim como o time de maneira geral.

Roberto Carlos”Eu não consigo comparar. Fico feliz que o Pelé consiga fazer essas comparações. Fico feliz que ele tenha essa capacidade. Eu não consigo”, afirmou Parreira.

Na seqüência, Cafu foi taxativo. “Eu acho que o nosso grandioso Pelé foi muito infeliz na declaração dele. O Pelé deveria usar as palavras dele para o bem, trazer o povo a favor da seleção e incentivar a garotada do time. Não para fazer um confronto e comparar a seleção de 70 com a de hoje”.

“Eu nunca falei que quero ser melhor do que alguém. Nunca falei que essa seleção deve ser melhor que a de 70, muito pelo contrário. Aliás, acho impossível fazer tal comparação, afinal, são 36 anos de diferença”, concluiu o ala.