Resultado preliminar confirma vantagem de Humala no Peru - WSCOM

menu

Internacional

10/04/2011


Humala em vantagem no Peru

eleição

Foto: autor desconhecido.

A contagem rápida das eleições presidenciais peruanas neste domingo (10), que vale como um resultado preliminar do pleito, confirmou que o ex-militar de esquerda Ollanta Humala lidera com comodidade, à frente da parlamentar Keiko Fujimori, que o acompanharia no segundo turno, previsto para o dia 5 de junho.

Humala estaria com 31,8% dos votos, Keiko Fujimori, com 22,8%; e Pedro Pablo Kuczynski, com 19,6%, segundo a apuração realizada pela empresa de pesquisa Ipsos-Apoyo, responsável pela contagem rápida, com base em 58,6% de mostra representativa em 1.500 seções eleitorais.

Segundo o diretor do instituto, Alfredo Torres, a contagem rápida é uma mostra estatística com base nos resultados apurados em seções eleitorais selecionadas, num total nacional de 40 mil.
O candidato e ex-presidente Alejandro Toledo (centro) tem 15,5%, ficando praticamente descartado.

Boca de urna

Horas antes do fim da divulgação dos resultados da contagem rápida, três pesquisas de boca de urna já haviam dado como certa a vitória de Humala e a ida ao segundo turno.
Segundo as pesquisas, Fujimori ficou em segundo lugar com pequena vantagem sobre o terceiro colocado, o ex-primeiro-ministro Pedro Pablo Kuczynski.

A sondagem Datum deu a Humala 33,8% dos votos, seguido de Fujimori com 21,3%. Pedro Pablo Kuczynski teve 19,5 %, e o ex-presidente Alejandro Toledo, 15,%.
Pesquisa do instituto Ipsos mostrou Humala com 31,6%, Fujimori com 21,4%, Kuczynski com 19,2% e Toledo, 16,1%.

Sondagem CPI deu Humala com 33%, Fujimori com 22% e Kuczynski em terceiro com 19%.
Se de fato nenhum candidato obtiver 50% dos votos, os dois líderes disputarão o segundo turno em 5 de junho.

OEA destacou normalidade

A Organização dos Estados Americanos (OEA), que participa de uma missão de observadores na eleição presidencial do Peru, destacou neste domingo a normalidade e a participação no pleito. Em 97% das mesas observadas, o material eleitoral estava à disposição dos eleitores e o censo era consultável.

Apenas 39% das mesas registraram a presença de todos os membros titulares, apontou a OEA. A organização destacou ainda que, em muitos escritórios, o pessoal dos partidos que deveria observar o bom desenrolar da votação não compareceu.

A missão da OEA é formada por 73 observadores.

Notícias relacionadas