Reggae, rock e MPB animam a noite desta 2ª-feira na Festa das Neves - WSCOM

menu

Entretenimento

01/08/2005


Reggae, rock e MPB animam

Os shows de Jaguaribe Carne, Star 61 e Rastamen estão programados para às 20h desta segunda-feira (1º) no palco principal (Praça da Socic) da Festa das Neves. Walter Luiz se apresenta na Casa da Pólvora a partir das 19h e, a partir das 21h, o Pavilhão instalado na praça Dom Ulrico terá seresta e piano com Isa Yplá.

A programação oficial começa às 19h, com o show de Walter Luiz, no palco 2, localizado no pátio da Casa da Pólvora. Em seguida, é só descer a ladeira São Francisco e lá em baixo, na Praça Socic, no Varadouro, a primeira atração é o grupo Jaguaribe Carne.

Ninguém define esse grupo tão bem quanto o cantor e compositor paraibano Chico César quando diz “o bicho que deu nome ao rio, o rio que deu nome ao bairro, o bairro que deu nome ao grupo. Carne: de alimento, vida e sexo”.

Jaguaribe Carne é uma das maiores mostras da resistência cultural voltada para a música nordestina. O grupo vem do bairro de Jaguaribe, um dos mais antigos da Capital, e tem em seu núcleo os irmãos Pedro Osmar e Paulo Ró. Desde o fim dos anos 70 os dois têm se dedicado a fazer música experimental, mesmo quando se trata de canções, tomando como base ritmos brasileiros como ciranda, coco, maracatu, caboclinho, catira, boi. Antes de ser moda. A isso o grupo mistura influências de música do oriente, da áfrica, das vanguardas européias do século passado, do jazz, da música instrumental brasileira.

O texto de suas canções tem contundência e rigor estético, além de compromisso humano e ético. Tudo isso levado a cabo com coerência e teimosia, sempre na contra-corrente. Os rapazes já não são jovens e amadureceram fora dos esquemas, dos holofotes, mas perto da música, dentro dela.

Star 61 – Logo após o show do Jaguaribe Carne, sobe ao palco a última revelação entre as bandas de rock de João Pessoa, a Star 61. Tudo começou com Flaviano André, 29 anos, um sujeito magro, de aparelho nos dentes e com muita música e poesia na cabeça. Ele é o responsável pelo surgimento da Star 61, que iniciou jornada em meados de 2003. De diferentes vertentes musicais, Walter Marano (bateria), Edy (baixo) e Túlio (guitarra) acreditam e apostam na idéia de Flaviano (voz e violão).

Sintetizando suas experiências, encontraram na simplicidade e no feeling os elementos essenciais para suas composições. As influências vão de Bowie a Smiths, passando por Joy Division e Maysa, com uma leve pitada de jovem guarda. A proposta sempre foi reviver o glamour e a criatividade de décadas passadas. Isso tudo com bastante irreverência e um toque do novo milênio, além de atitude rock.

E irreverência é o que não falta na imaginação de Flaviano: Vestidos, boás e muita maquiagem fazem parte do universo performático da Star 61, que canta temas do cotidiano, odes ao amor e desilusões.

A banda foi apontada como Revelação da última edição do Festival potiguar Mada – Música Alimento da Alma, que em sua sexta edição é cotado como um dos grandes eventos de música do país. Para este show da Festa das Neves a banda vai apresentar um repertório quase todo autoral. A Star 61 se auto-define como a melhor pedida para quem procura na música uma forma de sonhar.

Reaggae – E fechando a programação da noite, a tribo “regueira” também tem espaço na Festa das Neves sob o comando da banda Rastamen, tocando clássicos do estilo jamaicano, que o mundo ficou conhecendo através do ícone do gênero, Bob Marley.

O reggae traz em suas letras mensagens de paz, amor, união, consciência social e política, servindo como um canal por onde o povo expressa seus sentimentos, pensamentos e reivindica seus direitos. O Rastamen quando canta empolga o público com um repertório que tem músicas próprias, além de sucessos de Bob Marley, Cidade Negra, Alpha Blondy, Natiruts, Tribo de Jah, Edson Gomes, Inner Circle, Adão Negro, Planta e Raiz, Paralamas e outros.

Notícias relacionadas