Rebeldes líbios podem aceitar cessa-fogo sob certas condições - WSCOM

menu

Internacional

01/04/2011


Rebeldes líbios podem aceitar cessa-fogo

Condições

Foto: autor desconhecido.

A liderança dos rebeldes que lutam contra o ditador da Líbia, Muammar Gaddafi, se mostrou disposta nesta sexta-feira (1º) a observar um cessar-fogo, desde que "algumas condições" sejam aceitas.

De acordo com os opositores, um dos principais requisitos para esse eventual cessar-fogo seria o fim do cerco das tropas de Gaddafi a algumas cidades rebeldes.

Enquanto uma eventual solução política para a crise na Líbia parece longe de ocorrer, os combates entre as tropas de Gaddafi e os milicianos revolucionários continuam nas imediações de Brega, 225 km a oeste de Benghazi, informou o porta-voz militar dos rebeldes, coronel Ahmad Omar Bany.

– Os confrontos continuam ao redor de Brega. As tropas de Gaddafi se encontram no oeste da cidade, a cerca de 30 km.

Os rebeldes mudaram de estratégia para enfrentar os soldados leais ao dirigente líbio nos últimos dois dias, já que situaram membros do Exército na primeira linha de batalha, enquanto na segunda linha estão as milícias de voluntários.

Durante esta quinta-feira (31), as tropas de Gaddafi bombardearam as posições rebeldes com mísseis Grad e foguetes Katyusha.

Enquanto isso, a maior parte dos habitantes da vizinha Ajdabiya, 65 km ao leste de Brega, fugiu da cidade por medo de novos ataques das tropas do ditador.

Se Brega cair nas mãos das forças governamentais, seu alvo seguinte seria Ajdabiya, uma cidade estratégica, já que dela sai uma estrada de ligação com Tobruk, ao leste de Benghazi, considerada essencial para isolar a capital rebelde.

Representante busca saída para ditador

Um enviado de Gaddafi conversou nos últimos dias em Londres com funcionários do governo britânico e aparentemente sondou uma possível saída para o coronel e sua família, informou a imprensa britânica.

Mohammed Ismail, assistente de um dos filhos de Gaddafi, foi informado pelo governo do Reino Unido de que "o coronel precisa deixar o poder". Essa foi a opinião unânime dos integrantes do Ministério de Relações Exteriores britânico.

– Em todos os contatos que estabelecemos deixamos claro que Gaddafi tem que deixar o poder.

O ministério se negou a comentar a visita, indicando que não iria falar continuamente sobre seus contatos com autoridades líbias. A posição oficial do governo britânico é a de encorajar todos os que cercam Gaddafi a abandonar o que qualificam de "regime brutal".

Notícias relacionadas