Questionado sobre indulto, Haddad diz que Lula não pede benefício - WSCOM

menu

Política

15/10/2018


Questionado sobre indulto, Haddad diz que Lula não pede benefício

Foto: autor desconhecido.

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, voltou a afirmar, quando questionado sobre a possibilidade, se eleito, de dar um indulto ao ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva, que ele não quer.

“Ele não pede. É engraçado vocês me pedirem para me posicionar sobre algo que o presidente não está pedindo. Ele está pedindo um julgamento justo”, disse Haddad em entrevista ao site do jornal El País neste domingo (14).

O ex-presidente está preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba desde abril, onde cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).

“O caso Lula é um caso específico, que até o [Comitê de Direitos Humanos da] ONU já se manifestou. Se você consultar vários juristas, criminalistas, você vai verificar que a maioria vê uma fragilidade enorme nesse processo… Mas eu confio nos recursos. Tem dois tramitando, um para o STF e um para o STJ. E eu confio que as cortes superiores, sobretudo depois da eleição, vão ter a serenidade de avaliar o processo com mais isenção, pelo menos”, afirmou o candidato do PT.

Em setembro, o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, afirmou que o plano de Lula é eleger Haddad para sair da cadeia.

Dias depois, Haddad afirmou, em entrevista à rádio CBN e ao site G1, que o próprio Lula descarta a probabilidade e defende que saia da cadeia provando na Justiça que é inocente.

“Lula é o primeiro a dizer que não quer favor, quer reconhecimento do erro do Judiciário”, disse. “Não. Não ao indulto”, completou.

Presidente nacional da legenda, a senadora paranaense Gleisi Hoffmann também já afirmou que Lula vai sair da prisão provando que não cometeu crimes.

A Constituição prevê que o presidente da República decrete o indulto de condenados. O indulto individual, chamado de “graça”, está previsto na legislação e pode ser concedido mediante pedido de um condenado.

Ao El País, Haddad também rechaçou perguntas sobre o apoio do PT a ditadura de Nicolás Maduro na Venezuela, afirmou que “não tem compromisso com nenhum regime autoritário” e chamou Bolsonaro de “carrasco”.

“Estou concorrendo possivelmente com o maior carrasco que esse país já teve. Ele verbaliza isso com a maior naturalidade e a imprensa agora naturalizou o Bolsonaro. É ‘Bolsonaro paz e amor’. […] Desde que ele se conhece por gente, defende a ditadura. Aí cria o fantasma Venezuela para virar o sinal do jogo.”

O petista ainda afirmou que “não vai permitir a instalação de base militar americana” no Brasil, e que os  “EUA estão pouco se lixando para a democracia no mundo”. Segundo ele, colocar o Brasil e a Venezuela em oposição é deixar criar conflito armado em dois países que podem se entender.

“Podemos ajudar a Venezuela a sair dessa confusão. Inclusive, se for necessário repreender, nós temos o Grupo do Mercosul que pode ser usado. Brasil e Argentina têm muito peso no subcontinente”, disse Haddad.

Com informações da Folhapress.

Notícias relacionadas