Professores estaduais fecham escolas hoje e anunciam paralisações todos os meses - WSCOM

menu

Paraíba

08/06/2006


Professores estaduais fecham escolas hoj

Os professores da rede estadual de ensino pararam as atividades nesta terça-feira, 8, em protesto pelo atraso no pagamento dos vencimentos da categoria. A paralisação vai durar apenas um dia, mas segundo o secretário de organização do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep), Paulo Tavares, enquanto o calendário não for regularizado, a categoria vai paralisar as atividades todos os meses durante um dia.

A data limite para o pagamento dos vencimentos está previsto na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e prega que o trabalhador dever receber os vencimentos até o quinto dia útil de cada mês. Mas segundo Tavares, os servidores do Estado chegam a receber até no 13º ou 14º dia útil.

“Nada justifica um atraso desse porte e o gestor deve ter consciência de que isso está previsto na Lei. Dessa forma os servidores saem prejudicados, pois a maioria das contas a pagar são ajustadas segundo esse critério de pagamento”, explica Tavares. Esse calendário de paralisações será seguindo em toda a Paraíba.

Apesar de já terem levado também esta reclamação a Secretaria de Educação, até agora não obtiveram retorno. A secretária de educação, Maria América Assis de Castro se comprometeu a conversar com o governador o quanto antes, mas até agora não deu retorno.

Os professores têm ainda mais duas motivações para a paralisação. Uma é em relação ao Plano de Cargos e Carreira (PCC) da categoria. “Até o momento o governador não mandou nenhuma notícia”, reclama a professora. Os professores já receberam um reajuste, mas este mês ainda saia no contracheque o acréscimo de 5% nas gratificações, como já foi acertado e publicado em Diário Oficial.

A outra diz respeito a demora na nomeação dos aprovados no último concurso para professor. “Na última negociação nos garantiram que as nomeações seriam concluídas até novembro, mas ainda estão sendo feitas de forma muito lenta”, reclama.

Notícias relacionadas