Professores da UFPB discutem a desorganização da economia nordestina - WSCOM

menu

Economia & Negócios

13/04/2017


'Desorganização da economia nordestina'

ESTUDIOSOS DEBATEM

Foto: autor desconhecido.

No artigo semanal do Departamento de Economia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no Portal WSCOM, os professores Ademário Felix de Araújo e Paulo Amilton Maia Leite Filho apontam que a desorganização da economia nordestina não foi contratada pelas atuais reformas.

De acordo com os estudiosos, "resultado, em 2015 o governo petista foi o que mais pagou juros no mundo. Mais de R$500 bilhões".

Confira o texto na íntegra:

O silêncio cumplice da heterodoxia órfão – parte 2

Por Ademário Felix de Araújo e Paulo Amilton Maia Leite Filho

Basta, senhor, que eu, por que roubo em uma barca, sou ladrão, e vois por que roubais em uma armada, sois imperador? Assim é. O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza: o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres. Sermão do Bom Ladrão, Pe. Vieira (1655).
Dando continuidade ao nosso artigo publicado na semana passada, vamos apresentar novos argumentos que apontam que a desorganização da economia nordestina não foi contratada pelas atuais reformas, mas no governo petista da senhora Dilma Roussef, com o silêncio cumplice da heterodoxia.

Em 2015 a presidente Dilma cortou R$ 25,5 bilhões nos gastos sociais previstos para 2016. Por exemplo, minha casa minha vida cortou R$ 9,2 bilhões. Creches, R$3,3 bilhões, mobilidade urbana, R$6,4 bilhões, Pronatec, R$2,3 bilhões. Ciência sem fronteira, R$2 bilhões. PAC saneamento, R$2 bilhões. Gastos obrigatórios com saúde, R$3,8 bilhões. Construções de cisternas, R$300 milhões. Ademais, os governos petistas fecharam 23,5 mil leitos hospitalares públicos, dos quais 10,1 mil de leitos pediátricos na rede pública. O NE, a região mais pobre do Brasil, foi contemplado com os seguintes cortes, em termos percentuais, SE – 50%: AL-32%; PB -27%, RN -26%; MA -23%, BA -22%, PE -15%, CE -19% e PI -18%. Por fim, ensejando uma preocupação legítima com a Pátria Educadora, em 2014 o governo Dilma encerrou o programa Mais Educação. Onde estavam os críticos da PEC do teto dos gastos que não viram Dilma (mão de tesoura) Rousself preocupada com os pobres?

A Transnordestina, as refinarias de petróleo e a transposição do rio São Francisco foram bandeiras petistas vendidas com a retórica de que iriam fortalecer a economia nordestina, diminuindo sua dependência das transferências federais. Vale perguntar, qual o impacto econômico social para a população nordestina pelo fato de tais obras não estarem concluídas? Tais obras já custaram R$105 bilhões ao contribuinte e não trouxe nenhum bem-estar à população nordestina. No entanto, deve ter irrigado os bolsos dos companheiros e melhorado um pouco o bem-estar dos acionistas dos bancos de algum paraíso fiscal. O que disseram os heterodoxos?

Qual o impacto dessas medidas na economia do Nordeste? A síntese é: contração dos investimentos nos estados do Nordeste. MA – 51%; PI -46%, CE -30%, RN -59%, PB -30%, PE -58%, AL -62%, SE -53% e BA -11%. Com isto a renda do Nordeste contraiu 4,3% entre 2015 e 2016 contra uma contração de 3,6% no Brasil.

Vale lembrar que neste período não existia PEC do teto do gasto.

Como já dizia Voltaire, uma forma de chatear é dizer tudo, vamos continuar. O tesouro nacional durante o governo petista captou R$523 bilhões, à taxa Selic de aproximadamente 12% a.a. para capitalizar o BNDES e emprestou 70% desses recursos a 2,5% a.a. para grandes empresas, entre outras os campeões (dos trambiques) nacionais. Como OI, Odebrecht, JBS e Grupo de Eike Batista. O custo dessa brincadeira foi de R$123 bilhões até 2015 para você contribuinte. Até 2050, ou seja, por mais 35 anos, você contribuinte, que vive preocupado com o cheque especial, vai arcar com mais R$200 bilhões de juros subsidiados. Não obstante, os heterodoxos estão preocupados com os possíveis efeitos da PEC do teto dos gastos para os próximos 10 anos (vale ressaltar que durante este período a taxa de investimento no Brasil praticamente não se alterou no período petista).

Além dessa conta, somos obrigados a pagar outra maior. Os juros subsidiados reduzem a potência da política monetária no combate a inflação. Fazendo com que a taxa Selic seja mais elevada para fazer o mesmo efeito no combate à inflação em 1,5 ponto percentual. Ou seja, em vez de ser 12% deve ser 13,5%, por exemplo. Dado que a dívida do setor público é R$3 trilhões aproximadamente, 1,5% deste montante representa R$45 bilhões a mais por conta dessa política de juros subsidiados.

Resultado, em 2015 o governo petista foi o que mais pagou juros no mundo. Mais de R$500 bilhões. Boa parte desses recursos foi apropriada pelo 1% mais rico da população. E, mais especificamente, pelo 0,01% dos brasileiros. Estes somam 140 mil brasileiros com renda média de R$2,4 milhões/ano, de acordo com os dados do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF).

Os governos petistas, e alguns economistas sem folego para pesquisa, usam os dados da PNAD, que subestimam em muito a renda apropriada pelos 5% mais ricos da população, para mostrar a melhora da distribuição da renda pessoal. Os dados abaixo mostram quão distante estão a renda aproriada pelos indivíduos mais ricos segundo os dados da PNAD e pelo IPRF.

Os mais ricos PNAD IRPF

0,1% 4% 11%
1% 16% 25%
5% 35% 44%

Fonte: Medeiros (2015)

Isto indica que a distribuição de renda no Brasil permaneceu praticamente estável ente 2006 e 2012, se levarmos em conta os dados do IRPF. Diante do exposto, a de se considerar que a realidade desmente a fantasia petista. A PEC do teto dos gastos vem apenas substituir o populismo irresponsável pela racionalidade. É uma tentativa de colocar o gasto público no exato valor daquilo que a sociedade coloca na forma de imposto ao governo. Os cidadãos mais preocupados com o futuro do seus filhos e netos precisam ficar mais atentos aos manipuladores de fatos, pois corremos o risco de sermos enganados por eles. 

Notícias relacionadas