PRF apreende detém dois caminhoneiros com drogas no Sertão da Paraíba - WSCOM

menu

Policial

26/04/2017


PRF detém dois caminhoneiros com drogas

NO SERTÃO

Foto: autor desconhecido.

Dois caminhoneiros foram detidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) por posse de rebites, na BR-230, em Cajazeiras, Sertão da Paraíba. A substância é usada por caminhoneiros para permanecerem acordados por longas jornadas. As cartelas com 31 comprimidos de anfetamina foram encontradas nas cabines dos caminhões durante trabalhos de fiscalização na tarde de desta quarta-feira (26).

Os motoristas de autocargas foram abordados por agentes do Núcleo de Operações Especiais (NOE), que estão realizando ações de combate ao crime naquela região. Um dos veículos vinha do Piauí e tinha como destino final o Rio Grande do Norte.

Os policiais encontraram a droga na cabine do caminhão que estava carregado com grãos. O segundo veículo foi abordado algum tempo depois pela mesma equipe, no quilômetro 512 da BR 230. Assim como no primeiro caso, os agentes encontraram as cartelas na cabine. Os motoristas disseram que costumeiramente fazem usos da droga para manterem-se acordados por muitas horas, mesmo sabendo que é uma prática proibida e perigosa.

REBITES – Este tipo de medicamento, chamado popularmente de “rebite”, é um inibidor de apetite. No entanto, é muito utilizado por caminhoneiros por causa do efeito estimulante do sistema nervoso central, fato que inibe o sono por longas horas. No caso do Nobésio Forte, encontrado com o caminhoneiro, este contém como princípio ativo a substância CLOBENZOREX, que é de uso controlado no Brasil, e classificado como substância psicotrópica. Ainda assim, o medicamento Nobésio Forte não possui registro válido na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); tornando sua comercialização proibida.

 

RISCOS – Quando o efeito do medicamento passa, o sono aparece de maneira incontrolável, o que eleva os riscos de grandes acidentes, pois ocorrências envolvendo caminhões são muitas das vezes catastróficas.

 

Os motoristas assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelo porte da droga sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, tendo todos eles se comprometido a comparecer em juízo para as providências legais cabíveis.

Notícias relacionadas