Presidente palestino decreta estado de alerta - WSCOM

menu

Internacional

13/06/2006


Presidente palestino decreta estado de

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, colocou suas forças de segurança em estado de alerta depois dos choques ocorridos na Faixa de Gaza e Cisjordânia.

Abbas ordenou que soldados assumissem o controle depois que militantes correligionários de seu grupo, o Fatah, incendiaram os escritórios do Hamas em Ramallah.

O escritório estava vazio. Ismail Haniya, que lidera o governo da Autoridade Palestina, controlado pelo Hamas, costuma ficar na Faixa de Gaza.

A violência ocorreu depois de choques na Faixa de Gaza, nos quais duas pessoas foram mortas.

O Hamas e facções do Fatah, organização de Abbas, estão envolvidos em confrontos e disputas desde a vitória do Hamas nas eleições gerais palestinas, em janeiro passado.

Lei e ordem – O negociador-chefe palestino Saeb Erekat, um aliado de Abbas, disse à BBC que está preocupado com a extensão da violência e teme pelo colapso da lei e da ordem.

“Estou tão amedrontado e preocupado, as coisas estão escapando por entre nossos dedos como areia. Acho que estamos realizando o máximo de esforço, mas não estamos minando as dificuldades e complexidades”, disse.

A violência começou na segunda-feira, quando duas pessoas morreram e outras 15 ficaram feridas em um choque de militantes do Hamas com forças de segurança leais ao Fatah em Rafah, na Faixa de Gaza. Ambos os lados acusam o outro de ter iniciado o confronto.

Em protesto contra o confronto, centenas de atiradores do Fatah foram às ruas em Ramallah.

Depois deste incidente os atiradores, muitos da Brigada dos Mártires de al-Aqsa, ligada ao Fatah, atiraram nas janelas do parlamento palestino em Ramallah. Em seguida, eles invadiram os escritórios do gabinete de governo, destruindo móveis e computadores.

As tensões entre o Hamas e o Fatah se agravaram desde que Abbas convocou um referendo sobre um plano que implicaria no reconhecimento do Estado de Israel, o que é rejeitado pelo Hamas.

Pelo menos 20 pessoas morreram, a maioria integrantes de milícias, nos confrontos entre os grupos nos últimos dois meses.