Prefeitura de Cajazeiras destrói monumento histórico para fazer rotatória de tr - WSCOM

menu

Paraíba

22/04/2011


Prefeitura destrói monumento histórico

de Cajazeiras

Foto: autor desconhecido.

A prefeitura de Cajazeiras destruiu esta semana o monumento histórico que homenageava o mártire João do Couto Cartaxo, que morreu defendo a "Terra do Padre Rolim", para construir uma rotatória no local. A família do cajazeirense ficou indignada com o prefeito Léo Abreu (PSB) e com o superintendente da Superintendência de Trânsito de Cajazeiras (SCTRANS), Marcos Túlio. A homenagem ao mártire ficava localizada na Avenida Comandante Vital Rolim, no Centro do município.

Cartaxo foi assassinado com um tiro no peito quando defendia as terras de Cajazeiras. Segundo a representante da família Cartaxo, Maria Cartaxo Rocha (Dona Dadinha), 80 anos, o monumento foi construído com recursos próprios dos familiares. Ela definiu como falta de respeito do poder público com a família e com a cidade.

O assunto vem causando muita polêmica e confusão na cidade, inclusive é motivo de revolta para os hitoriadores de Cajazeiras. O professor José Antonio definiu com um ato insano, pois, o monumento era um patrimônio histórico do povo de Cajazeiras. "Foi um crime contra a história de Cajazeiras, porque destruíram o monumento do único herói da cidade", disse o historiador indignado.

Disparidades Políticas

Durante entrevista ao Portal Diário do Sertão, Dona Dadinha conta que a perseguição dos Abreus contra a família Cartaxo vem de muito longe. De acordo com ela, tudo começou quando um dos blocos onde hoje está localizado a Coca-Cola (próximo a Avenida Comandante Vital Rolim) recebeu o nome de seu pai. Ao entrar na prefeitura, o atual deputado estadual e então prefeito, Vituriano de Abreu, vendeu o prédio que levava o nome da família. “Ele mandou jogar a placa de bronze com o nome de meu pai no lixo, foi a primeira vez que fomos desrespeitados”, relata Dona Dadinha.

Em seguida, a família se reuniu e fez uma homenagem a João do Couto Cartaxo. Dessa vez uma placa foi posta na Praça da Igreja Nossa Senhora de Fátima e conforme Dona Dadinha a condecoração também foi arrancada e abandonada.

A família inconformada resolveu então que faria uma praça, com bancos e um monumento para guardar a memória do cajazeirense, na esperança de que desta vez os direitos fossem respeitados. “E agora, pela terceira vez, nossa família está passando pelo desconsolo de ver a Praça João do Couto Cartaxo, que foi construída por nós mesmos, ser destruída com o maior descaso”, contou emocionada a senhora Dadinha.

SCTRANS

Procurado pelo DS, o superintendente da SCTRANS fez alguns esclarecimentos acerca desta polêmica. Segundo ele, o trecho da Comandante Vital Rolim estava precisando muito de um serviço de rotatória para melhorar o tráfego.

Marcos Túlio garantiu que a família Cartaxo foi comunicada da demolição do monumento, através de Roberto Cartaxo. Ele disse que no projeto da rotatória vai ser feita uma homenagem ao defensor da cidade.

Objeções da Família

A família Cartaxo, em nome de Dona Dadinha esclareceu durante entrevista que não é contra o trabalho para a melhoria do trânsito em Cajazeiras, e que só está indignada pelo descaso mostrado para com a família e com a memória do homenageado.

Dona Dadinha fez questão de frisar que a família não concorda com qualquer projeto que envolva monumentos de João do Couto Cartaxo dentro de rotatória e avisa: “A prefeitura pode escolher um local e consultar a família, pois, nós vamos exigir a construção de uma nova praça com as mesmas condecorações”, ressaltou ela. Os Cartaxo ainda deixaram uma sugestão de local para que o monumento fosse erguido: o terreno em frente ao prédio da Associação Comercial.

Poder Legislativo

O presidente da Câmara Municipal, o democrata Marcos Barros afirmou que esta ciente da demolição do monumento, pois, um membro da família já havia comentado sobre o projeto da prefeitura. "O superintende do SCTRANS ficou de enviar o projeto a câmara, mas já tinha adiantado que ninguém sairia prejudicado, pois a homenagem ao mártireseria mantida", enfatizou o presidente.

 

 

Notícias relacionadas