Policiais revelam que amotinados praticaram rituais macabros com corpos de deten - WSCOM

menu

Policial

20/10/2005


Policiais revelam que amotinados pratica

Policiais que integram a operação pente fino depararam com cenas macabras dentro do Presídio do Roger. Pelo menos três cadáveres foram localizados com cabeças decapitadas. Relatos dos PM’s que vistoriam os pavilhões mostram que os amotinados ‘brincaram’ com parte dos corpos dos detentos assassinados. Não está descartado que mais um detento tenha morrido durante o motim, realizado ontem à noite.

A cabeça do detento Maurício Teixeira de Lima, o Carioca, foi deixada no colo de Edvaldo Hermano de Moraes, o Grosso. Na boca de Maurício os detentos colocaram um dos dedos de Edvaldo. Os dois eram condenados por tráfico e latrocínio. Grosso também era acusado de estupro. Ele recebeu 44 facadas.

A Polícia já localizou e encaminhou para perícia o terceiro detento assassinado durante o motim. A identificação ainda não foi revelada. O corpo estava sob a laje do terceiro pavilhão.

Os policiais acreditam que os detentos foram assassinados porque se recusaram a participar do motim.

A rebelião teve início na noite de ontem, quando os detentos receberam a informação de que as visitas íntimas estavam suspensas como forma de punição pela construção de mais um túnel na última semana.

A rebelião começou no pavilhão 3 com colchões e lençóis incendiados e se estendeu pelo pavilhão 4 e 5. Nem todos os presos apoiaram o movimento.

O presídio do Roger, que tem capacidade para 300 presos, atualmente comporta 960. Este ano foram encontrados cinco túneis – quatro somente neste mês.

Notícias relacionadas