Polícia prende chineses e apreende mais de R$ 300 mil em produtos falsificados em João Pessoa - WSCOM

menu

Policial

26/09/2018


Polícia prende chineses e apreende mais de R$ 300 mil em produtos falsificados em João Pessoa

Foto: autor desconhecido.

A polícia civil apreendeu nesta quarta-feira (26) cerca de 3000 peças de produtos piratas avaliadas em mais de R$ 300 mil. Foram detidos dois chineses, proprietários de lojas em um shopping comercial situado no centro de João Pessoa, Ye Wangping, de 52 anos de idade e Xiangbrin Fan, de 33 anos.

A nova fase da operação ‘Réplica’ deflagrada hoje tem como objetivo a apreensão de outras 04 marcas. A partir da atuação conjunta entre Polícia Civil da Paraíba, Departamento de Estado Norte-americano e escritório representante das marcas lesa pelas adulterações.

O objetivo maior da operação é identificar os responsáveis pela produção, importação, negociação dos produtos falsificados, além de identificar os maiores beneficiados pelos lucros advindos desta conduta. A Polícia Civil dará continuidade às investigações, deflagrando novas etapas da operação, de acordo com a evolução das infestações e de acordo com as informações prestadas pelas marcas lesadas.

A primeira fase da operação “Réplica” foi deflagrada em agosto de 2018, tendo como resultado a prisão de 02 empresários e a apreensão de produtos Falsificações de duas marcas norte-americanas.

Os suspeitos foram autuados pelos crimes contra patentes e podem responder ainda pelos crimes de Associação Criminosa, Lavagem de Dinheiro e por crimes de sonegação de tributos.

A negociação de produtos “piratas”, segundo levantamento do Departamento de Estado norte-americano e da INTERPOL, movimenta 522 bilhões de dólares por ano, além de resultar na perda de 30 bilhões de reais por ano com arrecadação de impostos e na perda de 2 milhões de empregos formais. Além do elevado prejuízo econômico, os valores obtidos com a venda de produtos falsos são utilizados para financiamento de condutas criminosas ainda mais graves, como lavagem de dinheiro, crimes contra a administração pública, financiamento a organizações criminosas, dentre outros.

O Brasil ocupa as primeiras posições no ranking mundial de prejuízos com a pirataria, segundo relatórios de diversos órgãos internacionais especializados. A ausência de fiscalização eficiente, a burocracia exigida pela legislação e a impunidade em grande parte dos casos contribui de maneira significativa para esta realidade.

Notícias relacionadas