Polícia Civil precisou remover corpo de advogado após denúncia de negligência e que morte não tinha sido natural - WSCOM

menu

Policial

15/03/2019


Polícia Civil precisou remover corpo de advogado após denúncia de negligência e que morte não tinha sido natural

Ao contrário do que foi divulgado pelo Portal WSCOM, delegada do caso explicou que corpo precisou ser removido da casa funerária para perícia, antes do início do velório.  

Advogado Werton Soares morreu na tarde de ontem, em João Pessoa (Arquivo Pessoal)

Por Ângelo Medeiros / Portal WSCOM

A delegada Maria Vanderleia Gadi, adjunta da Delegacia de Homicídios, entrou em contato com o Portal WSCOM, no final da manhã desta sexta-feira (15), para explicar o processo de remoção do corpo do advogado Werton Soares, falecido ontem (14) à tarde, após um mal súbito em um shopping de João Pessoa.

 

Ao contrário do que foi publicado pelo Portal WSCOM, a Polícia Civil da Paraíba não interrompeu o velório do advogado na manhã desta sexta-feira (15), tampouco existiu ordem judicial determinando a remoção do corpo para a perícia cadavérica.


Segundo a delegada Maria Wanderleia, que estava de plantão no dia de ontem, a Polícia Civil fez a remoção do corpo do advogado diretamente da casa funerária onde ele se encontrava, ainda na noite de ontem, antes do preparo para o velório.

 

“O que aconteceu foi que a Polícia Civil sequer foi informada sobre a morte do advogado. Ademais, soubemos da morte pelas redes sociais e recebemos informações anônimas, detalhando que pode ter ocorrido negligência médica no atendimento ao advogado e que a morte pode não ter sido por causas naturais. Devido a isso, determinamos a remoção do corpo para a perícia médica, ainda na casa funerária e antes mesmo do velório”, detalhou a delegada.


ERRATA

A editoria do Portal WSCOM pede as sinceras desculpas ao leitor e a delegada Maria Vanderleia Gadi pelo equívoco em nossa divulgação inicial. Reiteramos o compromisso em noticiar sempre os fatos de forma verídica e com base nas fontes iniciais.