Petróleo recua depois de bater recorde de US$ 70 - WSCOM

menu

Economia & Negócios

29/08/2005


Petróleo recua depois de bater

O preço do petróleo recua nesta segunda-feira, depois de ter atingido os US$ 70,80 na pré-abertura dos negócios. O furacão Katrina se dirige agora para os Estados do Mississippi e do Alabama (sul dos EUA), afastando-se das instalações petrolíferas do golfo do México.

Às 15h09 (em Brasília), o barril do petróleo cru para entrega em outubro, negociado na Bolsa Mercantil de Nova York, estava cotado a US$ 66,65, alta de 0,79%.

A disparada do preço hoje se deu devido ao temor de que o furacão Katrina causasse maiores interrupções de produção nas refinarias e plataformas americanas no golfo do México.

Analistas do setor petrolífero já dizem, no entanto, que com as interrupções já feitas em refinarias da região, em caráter preventivo, já ficou comprometida a produção de pelo menos dois meses. Mais de 40% de toda a produção nas instalações no golfo do México já foi interrompida devido ao Katrina. Outras refinarias da região já anunciaram que tiveram suas operações afetadas.

O Katrina já se dirige para os Estados do Mississipi e do Alabama –este último já registra apagões causados pela queda de postes de iluminação derrubados pela força dos ventos. Cerca de 116 mil pessoas estão sem luz.

Segundo o mais recente boletim do Centro Nacional de Furacões dos EUA, o Katrina continua perdendo força e já está na categoria 2 [causa danos de médio porte], e seus ventos internos giram em torno de 170 km/h.

As plataformas do golfo do México produzem cerca de 1,5 milhão de barris de petróleo por dia, um quarto da produção do país e cerca de 2% da produção mundial. No ano passado, a passagem do furacão Ivan também interrompeu as atividades das plataformas e refinarias da região, o que afetou o fornecimento por meses.

Também preocupa a situação do fornecimento de gasolina, cujo estoque está baixo. O estoque de gasolina do país caiu em 3,2 milhões de barris, para 194,9 milhões de barris na última semana –menor nível desde novembro de 2003– segundo relatório divulgado na quarta-feira (24) pelo Departamento de Energia dos EUA.

Notícias relacionadas