Percam as esperanças, não sou gastador, diz Mantega - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

28/03/2006


Percam as esperanças, não sou

O novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que o governo tem um compromisso com a responsabilidade fiscal e tem de cumprir uma meta de economia de cerca de R$ 100 bilhões. “Isso será cumprido rigorosamente. Não vamos entrar na gastança. Percam as esperanças porque eu não sou um gastador”, adiantou.

“Nós temos que aumentar os investimentos, portanto vamos compatibilizar responsabilidade fiscal e investimento-crescimento e responsabilidade social. Isso significa também manter os programas sociais que o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva) tanto preza”, disse o novo ministro.

Mantega, que toma posse hoje, às 15h, no Palácio do Planalto, afirmou, em entrevista ao Bom Dia Brasil, que deverá definir nas próximas 24 horas o secretário-executivo, o segundo nome na hierarquia do ministério. Murilo Portugal, da equipe do ex-ministro Antonio Palocci, também deixou o cargo ontem. “É natural que eu tenha um secretário-executivo da minha confiança”, disse Mantega.

“O secretário do Tesouro Nacional (Joaquim Levi) já havia assumido um compromisso de ir para ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), ser vice-presidente do BID. Portanto, eu não impedirei que ele faça isso. Então também termos um novo secretário do Tesouro”.

Sobre os demais membros da equipe, Mantega afirmou que telefonou ontem para o Ministério da Fazenda e pediu para que todos permanecessem em seus postos. “Eu quero conversar com eles. Tem muitos técnicos de alto nível no Ministério da Fazenda. Pretendo conversar com eles e deverei mantê-los. Outros deverão ser substituídos. Mas tudo dentro da tranqüilidade”.

Mantega disse que o País está no caminho do crescimento e que teve forte participação do Palocci e de outros ministros.

“O País já está caminhando para uma atividade econômica mais robusta. E é isso que todos nós queremos. Se você perguntar para o homem comum ele não vai querer saber qual é a política fiscal, monetária ou cambial. Ele quer saber: o País vai crescer? Vai se desenvolver? O Brasil vai ser um País de futuro? Eu digo sim. Estamos nesse caminho”, afirmou Mantega.

Notícias relacionadas