Passagens para voos domésticos sobem até 14% - WSCOM

menu

Economia & Negócios

02/04/2017


Passagens para voos domésticos sobem

ECONOMIA

Foto: autor desconhecido.

 Com nove feriados ao longo do ano e as férias de julho batendo à porta, os viajantes que já começam a fazer os cálculos para arrumar malas e botar o pé na estrada perceberam que, em 2017, as passagens aéreas estão mais caras. O aumento nos bilhetes pode chegar a 14%, segundo a Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav). No primeiro semestre do ano passado, o preço médio da tarifa doméstica foi de R$ 322,44, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil. Em 2017, o custo médio deve chegar a R$ 370, segundo cálculos da associação.

 — Em 2016, a oferta de assentos era maior, e as companhias investiram em muitas promoções. O preço este ano não será influenciado por esses descontos. A demanda cresceu 2% e as companhias aéreas diminuíram os voos e a frota. A dica é ter flexibilidade na data e hora de viagens para sair dos horários corporativos

 — orienta o presidente da Abav, Edmar Augusto Bull.

 Segundo ele, houve uma mudança de perfil dos viajantes, com muitos preferindo a pensão completa (todas as refeições incluídas no pacote), para saber exatamente quanto vão gastar no período.

 Para Conrado Abreu, sócio fundador da MaxMilhas, o planejamento faz diferença.

 — Para achar mais barato, o ideal é comprar a passagem nos 60 dias anteriores para destinos nacionais e 90 dias antes para viagens internacional — recomenda Abreu.

 Destinos nacionais estão entre os preferidos

 A maioria dos consumidores, cerca de 60%, busca viagens para destinos nacionais, de acordo com a Abav. Nas agências de viagens e em sites de comparação como o Peixe Urbano, a procura cresceu 15%, até o mês de março, em relação aos três primeiros meses do ano. Para ajudar o consumidor a comparar preços, o EXTRA pesquisou tarifas e pacotes.

— As pessoas estão procurando mais destinos nacionais, mas já percebemos que os preços para viajar para fora voltaram a ser uma opção por causa da queda do dólar — afirma Ilson Bressan, diretor comercial do Peixe Urbano.

 Segundo último levantamento do Ministério do Turismo, realizado em sete capitais, 21,1% dos brasileiros disseram que pretendem viajar nos próximos seis meses, percentual que supera os 18,7% na pesquisa realizada em fevereiro do ano passado. Os destinos nacionais são o objetivo de 79,9% dos potenciais viajantes. Entre as pessoas com renda de até R$ 2 mil, por exemplo, 60% dizem que pretendem sair do seu estado de residência e a maioria delas sonha em visitar o Nordeste.


 

Notícias relacionadas