Parlamentares apostam na absolvição de Brant e condenação de Luizinho - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

08/03/2006


Parlamentares apostam na absolvição de

O plenário da Câmara dos Deputados vota nesta quarta-feira dois processos de cassação de mandato de parlamentares envolvidos no suposto esquema do “mensalão”. Serão analisados os processos contra os deputados Roberto Brant (PFL-MG) e Professor Luizinho (PT-SP).

Nos bastidores do Congresso o clima é tenso. A expectativa é de que o acusado no primeiro processo a entrar em pauta, deputado Roberto Brant (PFL-MG), seja absolvido. O prognóstico não é tão positivo para o segundo caso, que envolve o ex-líder do governo na Câmara, deputado Professor Luizinho (PT-SP).

“Eu acho que os dois serão absolvidos. O Brant pela sua história. Ele conta com o total apoio do seu partido, 90% do apoio das bancadas do PSDB e do PMDB”, disse o deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA). Ele não explicou porque acredita que Luizinho também será absolvido.

A maioria dos integrantes do Conselho de Ética também acredita que Brant será inocentado, mas as apostas na absolvição de Luizinho não estão fechadas. Na votação no Conselho o deputado mineiro teve a aprovação da cassação do seu mandato por oito votos a sete.

O presidente do colegiado, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), foi obrigado a dar o “voto de minerva” a favor da cassação de Brant. No caso de Luizinho a votação foi mais folgada. O deputado petista teve a cassação do seu mandato aprovada por nove votos a cinco.

O deputado Cezar Schirmer (PMDB-RS), que integra o Conselho de Ética, reconhece a tendência do plenário em absolver Roberto Brant e se diz preocupado com a possibilidade de resultados diferentes para os dois processos.

“Seria o pior dos mundos absolver um e condenar o outro. Nós sabemos que cada caso é um caso, mas a opinião pública não vê assim. A fonte do dinheiro (valerioduto) é a mesma. Os dois têm casos iguais. O melhor seria que os dois fossem absolvidos juntos ou condenados”, afirmou o deputado gaúcho.

A expectativa da liderança do PFL é de que o pedido de cassação do mandato de Brant seja rejeitado por uma vantagem de votos bem superior à necessária. No caso do deputado professor Luizinho nem mesmo a liderança do seu partido quer arriscar um prognóstico.

Notícias relacionadas